'Caso da maleta' leva Antonini a se render nos Estados Unidos

Empresário acusado de levar dinheiro para a campanha de Cristina Kirchner agora colabora com investigações

AP,

14 de dezembro de 2007 | 17h55

O jornal argentino La Nación destaca nesta sexta-feira, 14, que o empresário venezuelano-americano Alejandro Antonini Wilson, interceptado em agosto deste ano no aeroporto de Buenos Aires carregando uma maleta com U$ 800 mil, "se rendeu" à Justiça americana para evitar uma possível condenação. Veja também:Dólares 'venezuelanos' pagariam campanha de Cristina, diz FBIVenezuela diz que detenções nos EUA são 'guerra política' O La Nación informa que seu correspondente nos Estados Unidos teve um breve contato telefônico com Antonini, que reside em Miami. "Você pode imaginar que não posso falar muito", disse Antonini e recomendou ao jornalista que entrasse em contato com seu advogado. O empresário, que se dedica a negócios no ramo petroleiro, foi detido pela fiscalização argentina, no dia 4 de agosto, quando voltava de Caracas.  Na quarta-feira, 12, o promotor federal adjunto de Miami, Tom Mulvihill, declarou que o dinheiro contido na maleta seria destinado à campanha eleitoral de Cristina Kirchner, o que provocou a ira da presidente da Argentina. 'Operação vassoura' Cristina afirmou na quinta, 13, que se tratava de uma "operação vassoura" que pretendia pressioná-la e que fora organizada por oposições de políticas exteriores. Ainda segundo o jornal argentino, Antonini Wilson encontra-se em um lugar não especificado, mantido sob normas de proteção não esclarecidas. O La Nación afirma que Antonini aceitou usar um microfone oculto e submeter-se a devastadora pressão de simular um jogo duplo: render-se à Justiça americana para evitar uma possível condenação e, em troca, colaborar para capturar os 'mentores' que levariam as investigações a nomes do poder boliviano. Com base nas gravações do microfone que Antonini levava, a polícia chegou a quatro homens, todos ex-colaboradores do empresário.Em Montevidéo, o chanceler uruguaio Reinaldo Gargano se referiu ao caso da maleta:"Não acredito que haja pessoas preocupadas com as boas relações que a Argentina tem com a Venezuela; mas, ao mesmo tempo, há muitas pessoas preocupadas, não apenas na Argentina, com as relações que o meu país tem com a Argentina", afirmou Gargano à imprensa.O chanceler considerou estranho o fato de os Estados Unidos "tendo as informações que tinham, demorar tanto para fazer a divulgação. Demoraram um bocado. Bastante ineficácia, não?"

Tudo o que sabemos sobre:
Antonini WilsonCristina Kirchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.