Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Caso Nisman derruba aprovação de Cristina, diz pesquisa

Promotor morreu com um tiro na cabeça na noite de 18 de janeiro, quatro dias depois de ter trazido à tona suas denúncias contra a presidente da Argentina

O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2015 | 18h07

BUENOS AIRES  - A popularidade da presidente da Argentina, Cristina Kirchner, tem sido puxada para baixo como consequência do caso da morte misteriosa do promotor Alberto Nisman que a acusou de tentar acobertar os responsáveis por um atentado à bomba em 1994, em Buenos Aires, mostrou uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 23.

Nisman morreu com um tiro na cabeça na noite de 18 de janeiro, quatro dias depois de ter trazido à tona suas denúncias contra Cristina. A morte do promotor chocou o país e intensificou os questionamentos há muito existentes sobre a independência do sistema judiciário argentino.

De acordo com uma pesquisa feita pela consultoria Management and Fit, a popularidade de Cristina caiu para 29,8 %, ante os 32,5 % registrados antes de Nisman acusá-la de conspirar para encobrir um suposto envolvimento do Irã no ataque contra um centro comunitário da Associação Mutual Israelita-Argentina (Amia)."O principal fator para explicar tal queda é o caso Nisman”, disse o economista Maximo Pisa, da Management and Fit.

Alguns ex-colegas de Nisman na promotoria pública se uniram a figuras de oposição para uma passeata na semana passada em protesto pelo que chamaram de uma "cultura de intromissão nos tribunais". Promotores alegam ser constantemente ameaçados.

A taxa de desaprovação da presidente, no fim de seu segundo mandato, subiu de 58,6 % para 63,5 %, de acordo com o levantamento da Management and Fit, que ouviu 2,4 mil argentinos aptos a votar.

Cristina está impedida de concorrer a um terceiro mandato consecutivo nas eleições gerais de outubro. Ela ainda não indicou um candidato para sucedê-la, assim como a oposição ainda não apresentou seu nome.

Com uma inflação alta e a economia beirando a recessão, outras pesquisas também mostraram uma queda na popularidade de Cristina.  O jornal Perfil disse que a popularidade da presidente caiu 4 pontos, para 29,1 %, até o fim de janeiro, em comparação ao mês anterior. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinacaso NismanCristina Kirchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.