Centenas de colombianos se refugiam de conflito no Equador

Centenas de colombianos fugiram decombates em suas aldeias para o Equador durante a semanapassada, num deslocamento que as agências humanitáriasconsideram "significativo", disse a Organização das NaçõesUnidas (ONU) na sexta-feira. Funcionários do Acnur (Alto-Comissariado da ONU paraRefugiados) no Equador receberam mais de 700 pessoas queescaparam da província de Nariño, onde as Forças Armadasenfrentam guerrilheiros de esquerda e paramilitares quedisputam rotas de tráfico de cocaína. "Este é o deslocamento mais significativo que tivemos nesteano", disse Marta Juarez, representante do Acnur no Equador, auma rádio local. "É muito provável que mais continuem chegandonas próximas horas." A maior parte dos recém-chegados, disse ela, é de mulherese crianças. A guerra civil colombiana, que causou mais de 40 mil mortesdesde 1990, perdeu intensidade sob o governo de Alvaro Uribe,que recebe forte ajuda militar dos Estados Unidos. Mesmo assim,mais de 3 milhões de pessoas tiveram de fugir dos combates. "Temos a obrigação de ajudar essa gente", disse o diretorda Coordenação de Defesa do Equador, Fernando Bustamante, ajornalistas. "Mas achamos que a comunidade internacional e aColômbia têm uma obrigação com o Equador, não podemos arcar comeste ônus sozinhos." Há no Equador mais de 250 mil refugiados, a maioria daColômbia, o que faz do país o maior receptor de refugiados naAmérica Latina, segundo a ONU. Venezuela e Equador frequentemente se queixam à Colômbiapor sofrerem efeitos colaterais do conflito interno, eesquerdistas em ambos os países vizinhos criticam a ajudanorte-americana ao governo Uribe para o combate às guerrilhas eao narcotráfico. (Por Alonso Soto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.