Reprodução
Reprodução

Chanceler brasileiro liga para homólogo da Argentina para tratar de relações bilaterais

Carlos Alberto Franco França e o chanceler argentino, Felipe Solá, falaram sobre a agenda regional e o Mercosul, além de questões relacionadas à pandemia

Iander Porcella, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2021 | 22h36

SÃO PAULO - O novo chanceler brasileiro, o embaixador Carlos Alberto Franco França, ligou neste sábado, 10, para seu homólogo argentino, Felipe Solá, e demonstrou disposição em "aprofundar e diversificar" as relações bilaterais com o país vizinho. "França destacou a importância que a relação com nosso país tem para o Brasil", diz um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Argentina.

A nota divulgada pelo governo de Alberto Fernández também informa que, durante a conversa, o chanceler argentino e o chefe do Itamaraty trataram da agenda regional e das relações entre os países que fazem parte do Mercosul. "O novo chanceler brasileiro chamou Felipe Solá para cumprimentá-lo e manifestar sua abertura para tratar de todos os assuntos da agenda entre as duas nações durante sua gestão à frente da diplomacia brasileira", diz um trecho do documento.

Questões relacionadas ao transporte terrestre de mercadorias entre os dois países, no contexto da pandemia de covid-19, também estiveram no centro do diálogo. Segundo o Ministério das Relações Exteriores argentino, Solá e França concordaram em cooperar para garantir os fluxos comerciais nas fronteiras.

O novo chanceler brasileiro tomou posse em 6 de abril, em um evento fechado, sem transmissão ao vivo. De acordo com um comunicado do Itamaraty, ele prometeu que não haverá preferências ou exclusões na atuação do País no exterior. "Meu compromisso é engajar o Brasil em intenso esforço de cooperação internacional, sem exclusões. E abrir novos caminhos de atuação diplomática, sem preferências desta ou daquela natureza", afirmou o embaixador, conforme a nota do MRE.

França foi indicado para o cargo pelo presidente Jair Bolsonaro em 29 de março. O antecessor dele, Ernesto Araújo, chegou a criticar em dezembro de 2020 a aprovação de um projeto de lei no Congresso da Argentina que legalizou o aborto até a 14ª semana de gestação. A proposta foi uma iniciativa do presidente Alberto Fernández. "O Brasil permanecerá na vanguarda do direito à vida e na defesa dos indefesos, não importa quantos países legalizem a barbárie do aborto indiscriminado, disfarçado de 'saúde reprodutiva' ou 'direitos sociais' ou como quer que seja", escreveu Araújo em sua conta no Twitter na ocasião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.