Chanceler cubano dá por encerrado caso de pugilistas no Pan

O ministro das Relações Exteriores deCuba, Felipe Pérez Roque, deu por encerrado nesta quarta-feirao caso dos pugilistas cubanos repatriados pelo Brasil depois deabandonarem a delegação da ilha nos Jogos Pan-Americanos doRio. Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara, as principaisfiguras do boxe cubano, foram devolvidos a Cuba depois de umatentativa de deserção, da qual disseram posteriormente ter searrependido. Um jogador de handebol e um treinador de ginásticaartística também fugiram da delegação de Cuba no Rio deJaneiro. Ao contrário dos pugilistas, eles não voltaram à ilha. Pérez Roque disse a jornalistas que "o governo cubanoafinal coordenou (o regresso dos pugilistas) porque elesdisseram que queriam regressar a Cuba, e eles regressaram eestão com suas famílias lá". O ministro, que participa de uma reunião ministerial emBrasília, insistiu que os caso dos pugilistas "é um tema que jáestá encerrado". A rápida repatriação de Rigondeaux, bicampeão olímpico dos54 quilos, e de Lara, campeão mundial dos 69 quilos, provocoupreocupação de parlamentares brasileiros, que questionaram suadeportação. Segundo a Polícia Federal, que inicialmente os deteve porfalta de documentos, os pugilistas mudaram de opinião depois dedesertar e manifestaram seu desejo de voltar a Cuba. Pérez Roque, que não respondeu sobre o futuro dosboxeadores, insistiu que o caso "já é um tema irrelevante, quenão forma parte da agenda bilateral" com o Brasil. O líder cubano Fidel Castro, afastado do poder há cerca deum ano por problema de saúde, havia condenado as deserções eprometeu posteriormente num artigo publicado no jornal Granmaque os esportistas serão tratados com justiça. Mas, em outro artigo, deu por terminada a carreira dospugilistas. "Chegaram a um ponto sem retorno como parte de umadelegação cubana nesse esporte", escreveu. Os pugilistas abandonaram a delegação cubana aparentementeatraídos por vultosos contratos oferecidos por um empresárioalemão, mas dias depois teriam se arrependido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.