Chanceler de Honduras renuncia após brigar com policiais

Vídeo que mostra ministro do Exterior bêbado e agredindo com policiais está disponível na internet

Agência Estado e Associated Press,

04 de janeiro de 2008 | 15h48

O ministro do Exterior de Honduras, Milton Jimenez, renunciou nesta sexta-feira, 4, após a divulgação de um vídeo em que aparece brigando com guardas de trânsito por ter seu carro parado. Jimenez admitiu que estava bêbado quando a polícia o parou por estar dirigindo um veículo sem placa, mas disse ter sido maltratado pelos oficiais.  "Eu estava errado ao dirigir embriagado, devo admitir, mas acho que exageros (da polícia) não ajudam a democracia", declarou Jimenez. Na entrevista coletiva em que anunciou sua renúncia o ex-ministro tirou o terno e mostrou aos jornalistas contusões em seus braços que diz terem sido causadas pelos policiais, que o jogaram bruscamente no camburão. O presidente Manuel Zelaya aceitou a decisão de Jimenez de renunciar ao cargo, disse Raul Valladares, secretário pessoal do presidente, à emissora Channel 5. A polícia prendeu Jimenez, 50 anos, no domingo, 30, quando dirigia seu carro na capital, Tegucigalpa. As gravações de câmeras de vigilância foram postadas no site YouTube e mostram Jimenez socando policiais quando eles tentavam levá-lo a uma delegacia e também caindo no chão. "Eu tinha bebido um pouco, mas não tinha atingido um nível de negligência alcoólica", disse Jimenez. "Peço perdão, com toda minha humildade, ao público por este incidente lamentável.Devido a minha posição, deveria ter sido mais prudente, mas não me arrependo de nada que fiz em minha vida". O ministro da Segurança Pública, general Alvaro Romero, disse que Jimenez se recusou a se identificar quando foi detido e também não aceitou realizar um teste de embriaguez. "Ele ficou furioso com o oficial que ordenou o teste, por isso os policiais tentaram acalmá-lo", disse Romero. Romero não explicou por que Jimenez foi solto sem nenhuma acusação.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasChanceler

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.