Chanceler diz que México acolherá Zelaya para pôr fim à crise

A ministra ressaltou que a legislação mexicana permite figuras como 'asilo' ou 'visitante distinto'

Efe

12 de dezembro de 2009 | 05h37

A chanceler mexicana, Patricia Espinosa, afirmou na sexta-feira, 11, em Cuba que seu Governo está disposto a outorgar ao presidente hondurenho deposto, Manuel Zelaya, qualquer "figura migratória" para colocar fim já à crise naquele país.

VEJA TAMBÉM:
Entenda o impasse no país centro-americano
Cronologia da crise em Honduras
Zelaya e Lobo se reuniriam no exterior
Brasil e Peru condenam rejeição de salvo-conduto
Governo de facto de Honduras se diz acima de acordo

"Estamos dispostos a outorgar qualquer das figuras que estão contempladas em nossa legislação, mas acreditamos que é um tema que se define realmente quando já se está concretizando a mudança", disse Patricia em entrevista coletiva durante sua visita de trabalho na ilha.

 

A ministra ressaltou que a legislação mexicana permite figuras como "asilo" ou "visitante distinto", embora lembrou que Zelaya "expressou seu desejo de sair de Honduras, mas não em qualidade de asilado".

 

Reiterou a "disposição" do México de apoiar uma saída, mas esclareceu que a "qualidade migratória" do governante deposto está ainda "sob consideração e consulta".

 

"Está totalmente claro que o Estado que recebe o cidadão de outra nacionalidade é quem determina a qualidade migratória desse cidadão", disse, em referência às exigências de Zelaya.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasMéxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.