Chanceler do Equador é hospitalizado após ser agredido por rebelados

Ricardo Patiño foi ferido na cabeça e tinha camisa manchada de sangue ao ingressar em hospital

Efe,

30 de setembro de 2010 | 21h40

QUITO- Policiais rebelados agrediram nesta quinta-feira, 30, o ministro equatoriano de Relações Exteriores, Ricardo Patiño, e o feriram na cabeça. O chanceler teve de ser hospitalizado, disse à Efe uma fonte governamental.

 

Veja também:

blog Radar Global: acompanhe a crise minuto a minuto

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

som Território Eldorado: Situação tranquila nas ruas, diz embaixador brasileiro

 

Patiño apresentava manchas de sangue em sua camisa no momento em que ingressou no Hospital Metropolitano, segundo constatou a Efe.

 

De acordo com Augustin Armas, assessor de comunicação de Patiño, o chefe da diplomacia equatoriana havia conseguido entrar no quarto do hospital militar onde o presidente Rafael Correa está refugiado, e ao sair foi agredido.

 

Segundo Armas, uma pessoa que estava presente na hora da agressão o informou que "policiais se aproximaram e o pegaram".

 

Manifestantes agrupados no hospital Metropolitano disseram à Efe que foram alertados por um funcionário da possível chegada de militares, pelo que os pediram que abandonassem o local.

 

Ao menos uma pessoa morreu e cinquenta ficaram feridas nos confrontos entre policiais que protestam contra o governo e simpatizantes de Correa, que denunciou uma tentativa de golpe no país.

 

Centenas de partidários de Correa marcharam até a praça da Independência, no centro de Quito a fim de demonstrar apoio ao presidente.

 

Patiño convocou os partidários do governo a marcharem ao hospital do quartel para retirá-lo de lá.

 

O povo marchou até o hospital e entrou em confronto com os policiais rebelados. Ao menos uma pessoa ficou ferida com um tiro no braço, segundo a rádio estatal. Os partidários do presidente atiraram pedras nos policiais e foram repreendidos com tiros e bombas de gás.

 

Os oficiais começaram seus protestos devido a uma lei que corta benefícios da categoria. Correa, ao tentar dialogar com os manifestantes, recebeu gases lacrimogêneos e está refugiado em um hospital militar.

 

Atualizado às 22h10

 

Leia ainda:

linkPoliciais invadem TV pública do Equador, dizem apresentadores

linkCorrea acusa oposição de tentar derrubá-lo

linkOEA condena tentativa de alterar 'ordem democrática' no Equador

linkChávez anuncia reunião de emergência da Unasul na Argentina

linkComunidade internacional condena revolta militar no Equador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.