Elizabeth Ruiz/Efe
Elizabeth Ruiz/Efe

Chávez afirma estar disposto a restituir relações com Colômbia

Comércio entre os países foi reduzido ao mínimo possível devido a cooperação militar entre Uribe e os EUA

Reuters e Associated Press,

23 de fevereiro de 2010 | 18h49

O presidente venezuelano Hugo Chávez disse nesta terça-feira, 23, que espera respeito e confiança da Colômbia para uma restituição "plena" de suas relações, e afirmou que está disposto a se reunir com seu colega Álvaro Uribe, com quem teve uma discussão na Cúpula da América Latina e Caribe (Calc), em Cancún.

 

Veja também:

linkUribe e Chávez estão dispostos a superar diferenças

 

Chávez qualificou de "absurdo" o suposto embargo comercial da Venezuela a Colômbia afirmado por Uribe nesta segunda e causou uma discussão no encontro, logo superada com a criação de um grupo de amigos coordenado pelo dominicano Leonel Fernandéz para acertar as diferenças entre os dois chefes de Estado.

 

O venezuelano considerou o incidente "um ato altamente lamentável, doloroso, mas que não opaca nem mancha o triunfo da nossa cúpula", em referência ao acordo de constituir um novo bloco latino-americano que não inclui os Estados Unidos nem o Canadá.

 

"Faz falta um governo na Colômbia que respeite o governo da Venezuela... Nós respeitamos a Colômbia, queremos voltar a trabalhar com o governo colombiano", disse Chávez.

 

"Reitero nossa melhor intenção para retornar à calma", acrescentou o presidente, ao referir-se pela primeira vez à afirmação de um funcionário de que Uribe incitou Chávez a "ser homem".

 

O venezuelano não confirmou versões de que teria falado palavrões a Uribe e se limitou a comentar que os dois se exaltaram e "disseram o que tinha de ser dito".

 

Chávez garantiu que antes da discussão ocorrer, o presidente dominicano Leonel Fernandéz o havia advertido sobre uma versão de que Uribe aproveitaria a cúpula para falar sobre as relações entre seu país e a Venezuela.

 

Segundo o presidente bolivariano, Uribe disse que a Colômbia estava submetida a um bloqueio similar ao que os Estados Unidos têm sobre Cuba.

 

"Isto é de dar risada, é uma piada, nisso nem uma criança de quatro anos acredita", disse Chávez.

 

O presidente da Venezuela também declarou estar disposto a avaliar o congelamento das relações comerciais com a Colômbia,apesar da discussão que teve com Uribe durante a Cúpula.

"Se é Uribe quem precisa vender a Venezuela uma maior quantidade de bens produzidos na Colômbia (...) estamos dispostos a avaliar, mas com respeito", disse Chávez em uma coletiva de imprensa no balneário mexicano de Praia do Carmen.

 

O chefe de Estado venezuelano ordenou em 2009 reduzir ao mínimo possível o comércio com o país vizinho, que estava em torno dos US$ 7 milhões até Bogotá ampliar um tratado de cooperação militar com os Estados Unidos.

 

"Agente"

 

O presidente boliviano, Evo Morales, acusou Uribe se ser um "agente" dos Estados Unidos que tentou fazer fracassar a cúpula latino-americana ao provocar o conflito com seu colega venezuelano, e garantiu que foi Uribe quem provocou Chávez.

 

"Qual é minha conclusão? Como neste evento... Viemos debater uma nova organização sem os Estados Unidos, mas os agentes dos Estados Unidos vêm 'empacar' e fazer fracassar este evento. É minha conclusão pessoal", afirmou Morales.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.