Chávez afirma que resgate 'está em andamento'

Venezuelano falou à imprensa e aos argentinos Néstor Kirchner e o chanceler Jorge Taiana

Efe

28 de dezembro de 2007 | 01h11

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, afirmou nesta quinta-feira que "está em andamento" a operação para receber três reféns que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertarão na Colômbia nas próximas horas. Veja Também:Entrega de reféns deve ocorrer em 72 horas, diz vice-chancelerGarcia diz que libertação de reféns pode pacificar a Colômbia Chávez 'elogia' portunhol de Lula em coletiva sobre FarcCronologia: do seqüestro à perspectiva de liberdadeBlog do Guterman - O caso dos reféns das Farc: inversão moral     "A operação está em andamento", limitou-se a dizer Chávez à imprensa, no palácio de Governo. Às 20h30 (23h de Brasília), ele recebeu o ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner e o chanceler argentino, Jorge Taiana, emissários na operação humanitária. Pouco antes, o Governo colombiano havia anunciado que o prazo para a missão organizada pela Venezuela recolher os reféns nas selvas colombianas começou a correr às 19h (22h de Brasília) e terminará às 18h59 de domingo (21h59 de Brasília). Esta manhã, o embaixador venezuelano na Colômbia, Pavel Rondón, declarou em Caracas que na sexta-feira começaria a operação. Além de Kirchner e Taiana, chegou nesta quinta-feira à Venezuela o emissário do Brasil, o assessor presidencial Marco Aurélio Garcia. Ainda estão sendo esperados os representantes do Equador, Gustavo Larrea, e da Bolívia, Sacha Llorenti.  Chegam à Venezuela os parentes de reféns  Os parentes dos três seqüestrados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), cuja libertação e entrega ao Governo de Hugo Chávez foi prometida para as próximas horas, chegaram hoje à Venezuela. Os parentes da ex-candidata à Vice-Presidência colombiana Clara Rojas, de seu filho Emmanuel, nascido em cativeiro, e da ex-congressista Consuelo González de Perdomo chegaram às 21h20 (0h50 de sexta-feira, em Brasília) ao aeroporto internacional de Maiquetía, próximo a Caracas. O grupo foi recebido pela senadora colombiana Piedad Córdoba. A delegação, formada por pelo menos 18 pessoas, é liderada pela mãe de Clara Rojas e avó de Emmanuel, Clara González de Rojas, e pelas duas filhas de Consuelo González, Patricia Elena e María Fernanda Perdomo. Chávez convidou os parentes para acompanhar a operação humanitária. Segundo informações oficiais, o processo começará amanhã, com aviões venezuelanos recolhendo na Colômbia os três seqüestrados, cuja libertação foi anunciada pelas Farc na semana passada. As Farc anunciaram publicamente no dia 18 de dezembro a libertação das duas mulheres e do menino em "desagravo" a Chávez, a cujo Governo entregarão os reféns, segundo um comunicado do grupo rebelde. Chávez e a senadora Córdoba buscavam facilitar a troca de 45 reféns das Farc por 500 membros da guerrilha presos. Mas o Governo colombiano interrompeu as negociações.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaVenezuelaFarcrefém

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.