Chávez anuncia acordo com a Rússia para compra de armas

Presidente venezuelano diz que capacidade armamentista do país deverá aumentar, após assinatura de contrato

Efe

06 de agosto de 2009 | 03h29

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, anunciou na quarta-feira, 5, que em meados de setembro pretende assinar na Rússia "um importante acordo de armamento", depois que encerrar uma negociação que funcionários de seu Governo começarão este mês.

 

"Será um conjunto de acordos, não só de armas, mas será um acordo importante de armamento para aumentar nossa capacidade (militar) operacional, a de nossos sistemas defensivos, de nossa defesa antiaérea, etc.", disse a correspondentes estrangeiros em uma coletiva de imprensa.

 

O governante revelou que na quarta-feira, 5, ligou para o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, para pedir que receba este fim de semana seu ministro de Energia e Petróleo, Rafael Ramírez, e entre 14 e 15 de agosto o vice-presidente do Executivo, Ramón Carrizález.

 

"Estamos nos preparando com detalhe para a cúpula em São Petersburgo", afirmou.

 

Chávez confirmou que colocou Putin a par "da ameaça" que disse representar para a Venezuela e para outras nações sul-americanas "o tema das sete bases" militares, "e talvez mais", que a Colômbia cederá aos soldados dos Estados Unidos.

 

Nos dez anos que está à frente da Presidência venezuelana, Chávez fez grandes compras de armas à Rússia, entre elas 24 caças Sukhoi-30, 50 helicópteros MI-17, M-26 e M-35 e 100 mil fuzis AK, tudo isso por mais de US$ 3 bilhões, segundo fontes russas.

 

O governante sugeriu que entre os novos materiais bélicos que busca adquirir nesta oportunidade estarão tanques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.