Reuters/Palácio de Miraflores
Reuters/Palácio de Miraflores

Chávez decreta feriado de 5 dias na Venezuela para economizar energia

Represa de El Guri, a principal do país, pode alcançar 'nível crítico' em junho

24 de março de 2010 | 18h31

Efe

 

CARACAS- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou nesta quarta-feira, 24, que haverá feriado entre segunda-feira e sexta-feira da semana que vem para contribuir com o plano de economia de energia elétrica vigente no país.

 

"Decretamos feriado na segunda-feira, terça-feira e quarta-feira", anunciou o presidente venezuelano. Esses dias se juntarão à Quinta-Feira Santa e à Sexta-Feira Santa.

 

"O objetivo fundamental disso não é a fraqueza", disse Chávez em um diálogo informal com esportistas retransmitido por emissoras estatais de televisão.

 

"É preciso economizar energia. Não se esqueça de apagar a luz e fechar as torneiras", acrescentou, ao anunciar também que haverá nas próximas horas uma verificação das condições da usina hidrelétrica de El Guri, que responde por 70% do consumo nacional e sofre com a seca.

 

Chávez previu que, caso o nível da represa da usina de El Guri continue caindo 13 centímetros por dia, se chegará ao "nível crítico" para o primeiro dos dois conjuntos de turbinas em meados de junho.

 

Além do plano de economia de energia, com multas e suspensões do serviço para empresas e domicílios que não reduzam seu consumo em pelo menos 20%, o governo venezuelano iniciou uma ofensiva de compra internacional de equipamentos de geração de energia termoelétrica a um custo de pelo menos US$ 1 milhão por megawatt, segundo Chávez.

 

A campanha em favor de uma redução do consumo de energia, que também inclui incentivos, não obedece unicamente à seca, mas se justifica também pelo fato de a Venezuela ser o país de maior consumo per capita de eletricidade na América do Sul, o que sugere um desperdício generalizado de energia, como Chávez faz questão de destacar.

 

Segundo o presidente venezuelano, a grave crise energética é consequência de uma seca provocada pelo fenômeno climático El Niño, enquanto seus opositores denunciam uma suposta falta de investimentos públicos no setor de geração de energia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.