Chávez disse ser indiferente se encontrar com Obama em Cúpula

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse nesta sexta-feira ser indiferente a um encontro com o presidente norte-americano, Barack Obama, na Cúpula das Américas, em abril, enfraquecendo a possibilidade de melhorar suas relações com Washington no novo governo. O líder esquerdista, crítico feroz da política exterior dos Estados Unidos durante o mandato de George W. Bush, afirmou que não tem ilusões de mudanças com o novo ocupante da Casa Branca, afirmando que ele também representa o "império". "De nada me importa que Obama esteja ou não esteja, ou o que vemos ou não. Eu irei lá defender o que sempre defendi, a integração do Caribe, da América Latina..., exigir que o império comandado por Obama acabe com o bloqueio a Cuba..., que Israel seja condenado", disse ele. O presidente disse a jornalistas que Obama deveria reconhecer a violação dos direitos humanos em seu próprio país antes de acusar os outros, em ataque a um relatório do Departamento de Estado norte-americano que acusou piora dos direitos humanos na Venezuela. Além disso, ele comentou que "algo deveria ser feito para solucioná-las antes de nos acusar... utilizando da mentira e do cinismo". O relatório anual do Departamento de Estado dos EUA apontou que a politização da Justiça, a perseguição de opositores políticos e aos meios de comunicação caracterizam a situação dos direitos civis e democráticos na Venezuela. (Reportagem de Andrés Cambero)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.