Chávez diz lamentar não ter se reunido com fundador das Farc

'É lamentável que haja pessoas que se alegram com a morte de Tirofijo', anunciada no sábado

Efe,

30 de maio de 2008 | 01h18

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, afirmou nesta quinta-feira, 29, que seu governo lamenta o fato de não ter se reunido com "Tirofijo", principal líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e cuja morte foi anunciada na última semana. "Nós não estamos alegres com a morte de 'Manuel Marulanda' ("Tirofijo"), e eu lamento não ter me reunido com ele para falar da paz, para falar do acordo humanitário na Colômbia", expressou Chávez. Em um ato político, Chávez qualificou como "lamentável que haja pessoas que se alegram com a morte de 'Tirofijo'", anunciada no sábado passado pelo ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, e confirmada um dia depois pelas Farc. O chefe do Estado venezuelano disse ainda que espera que a morte do líder e fundador das Farc abra as portas para o reinício das negociações para concretizar a troca de reféns da guerrilha por 500 de seus membros presos. Além disso, reiterou sua disposição de "cooperar com o acordo humanitário, e até mesmo com um processo de paz na Colômbia". Chávez e a senadora colombiana opositora Piedad Córdoba intermediaram durante quase quatro meses uma tentativa de troca de 45 reféns das Farc por cerca de 500 guerrilheiros presos, mas esse trabalho foi suspenso pelo presidente colombiano, Álvaro Uribe, em 22 de novembro do ano passado. Entre janeiro e fevereiro, as Farc libertaram e entregaram a comissões venezuelanas seis políticos colombianos como um gesto de desagravo a Chávez.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcChávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.