Chávez diz que EUA aproveitam terremoto para ocupar Haiti

Para o presidente venezuelano, se Washington quer ajudar os haitianos deve enviar 'remédios, água, alimentos'

EFE,

17 de janeiro de 2010 | 20h11

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse hoje que os Estados Unidos aproveitam a tragédia provocada pelo terremoto no Haiti para "ocupar" o país militarmente.

 

"Estão ocupando o Haiti feito tolos", disse Chávez, com o argumento de que os EUA estão enviando ao país caribenho "milhares de soldados armados, como que para uma guerra".

 

Para o presidente venezuelano, se Washington quer ajudar os haitianos deve enviar "remédios, água, alimentos".

 

"Quem disse que fazem falta soldados com fuzis e metralhadoras? Isso é agravar o problema. Obama, mande médicos, tendas, remédios", disse Chávez durante o "Alô Presidente", seu programa dominical de rádio e televisão.

 

Combustível

 

O presidente da Venezuela anunciou que seu Governo doará ao Haiti "todo o combustível" que a ilha precisar, e afirmou que sairá um navio amanhã com a primeira carga.

 

"o povo venezuelano doa o combustível que for necessário para o povo do Haiti para abastecer hospitais e usinas elétricas que Cuba está instalando", disse o presidente. "Não podemos ser egoístas".

 

O ministro das Relações Exteriores venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou que dois aviões de carga russos chegaram à Venezuela para fortalecer o transporte de móveis e utensílios ao Haiti.

Os aviões estão estacionados no aeroporto de Caracas, e foram mostrados no "Alô Presidente".

 

Ontem, o chefe dos socorristas venezuelanos, Luis Díaz, anunciou que "nas próximas horas" sairia rumo ao Haiti uma nova carga de "pouco mais de 1.200 toneladas de alimentos", que se somarão às 12 toneladas já despachadas esta semana.

 

A Venezuela já enviou ao Haiti duas brigadas de especialistas em desastres e também várias toneladas de remédios, alimentos não perecíveis e outros móveis e utensílios.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.