Chávez diz que não tem nada a esconder em escândalo argentino

O presidente venezuelano, Hugo Chávez,disse no domingo que "não tem nada a esconder" num escândaloatual sobre como 800 mil dólares em dinheiro não declaradoacabaram num avião com autoridades venezuelanas que voavam paraa Argentina. O escândalo levou a renúncias de funcionários em ambos ospaíses e tornou-se motivo de constrangimento para Chávez e parao presidente argentino, Nestor Kirchner, que insiste que nãotem nenhum envolvimento com o episódio. "Como disse Kirchner, não temos nada a acobertar, nada aesconder", disse Chávez, que vinha evitando o assunto desde queseus primeiros detalhes vieram à tona, durante seu programa derádio semanal, veiculado aos domingos. Chávez disse que a responsabilidade pela investigação é dapolícia, da alfândega e de outras instituições, não dosgovernos. O escândalo vem dominando as manchetes na Venezuela desdeque veio à tona, durante a visita do presidente venezuelano aBuenos Aires, no início de agosto, para promover a cooperaçãoenergética com o governo de Kirchner. Autoridades alfandegárias confiscaram o dinheiro doempresário venezuelano Guido Antonini, que viajou de Caracas aBuenos Aires num avião fretado pela empresa energéticaargentina Enarsa. Antonini embarcou no vôo a pedido de um funcionário daestatal petrolífera venezuelana PDVSA. Autoridades autorizaram Antonini a deixar a Argentinaimediatamente após o incidente, mas na terça-feira umprocurador argentino emitiu um mandato de prisão do empresáriopor acusações de contrabando. Tanto Chávez quanto Kirchner já prometeram reprimir acorrupção desbragada, que foi ampla durante o boom petrolíferoda Venezuela nos anos 1970 e também durante as reformas delivre mercado na Argentina na década de 1990.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.