Chávez diz que poderá ser submetido a quimioterapia

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, reconheceu pela primeira vez nesta quarta-feira que poderá ser submetido a quimioterapia ou radioterapia para tratar de um câncer, depois de ter passado por uma cirurgia para retirada de um tumor.

REUTERS

13 de julho de 2011 | 10h57

O estado de saúde do líder socialista, de 56 anos, tem sido um mistério desde que foi submetido a uma cirurgia em Cuba no mês passado para a remoção de um tumor cancerígeno no cólon.

"Estamos por iniciar a segunda etapa de recuperação e talvez uma terceira para blindar o corpo dessas células malignas", disse Chávez por telefone ao canal estatal VTV, segundo a imprensa oficial e local.

O presidente afirmou ainda que a terceira fase do tratamento "poderia ser radioterapia ou quimioterapia" e disse que nas próximas horas vai se reunir com a equipe médica que está cuidando dele.

Apesar de ele ter reafirmado o controle político com seu retorno à Venezuela na semana passada, a batalha de Chávez para recuperar sua saúde gerou dúvidas sobre suas condições para governar e concorrer à reeleição em 2012, conforme planejado.

Chávez disse que seria submetido a um tratamento de "reabilitação" ainda nesta quarta-feira, mas que planejava assistir à transmissão do jogo de futebol da Venezuela contra o Paraguai na Copa América.

"Nem meu cólon nem meu estômago estão cortados em pedacinhos, nada disso", afirmou ele em entrevista à radio. "Vida longa à vida! Lutaremos contra todos os tipos de câncer, aqueles produzidos pelo capitalismo."

Chávez, geralmente loquaz, famoso por seus discursos longos de várias horas e uma dura rotina de trabalho, reduziu suas aparições em público para eventos curtos desde que retornou de Havana.

Na noite de terça-feira, ele participou de uma missa celebrada por sua saúde em uma academia militar.

(Reportagem de Marianna Parraga)

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELACHAVEZCANCER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.