Chávez diz ter provas de vida de 6 reféns das Farc

O presidente da Venezuela, HugoChávez, anunciou nesta sexta-feira que recebeu provas de vidade seis reféns que estão nas mãos das Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc) e mostrou algumas imagens deum dos sequestrados. O grupo guerrilheiro, considerado terrorista pelos EstadosUnidos e Europa, libertou neste ano seis sequestrados emmissões lideradas pelo governo da Venezuela. "Recebi ontem as provas de vida de seis novos cidadãoscolombianos que estão em mãos da guerrilha, são militares epoliciais", disse Chávez durante um discurso na Cúpula do Grupodo Rio, na qual se discute a crise entre Colômbia e Ecuador. "O primeiro deles, o cabo (Pablo) Moncayo, eu não sabia queera ecuatoriano", afirmou Chávez, que mostrou rapidamente asimagens, cujo áudio falhou, do refém. O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, e o do Equador,Rafael Correa, disputavam a nacionalidade do militar. Moncayo foi sequestrado em um posto militar colombiano hádez anos, e seu pai, o professor Gustavo Moncayo, realiza umacampanha por sua libertação pela América Latina e Europa. A senadora colombiana Piedad Córdoba, que participou aténovembro ao lado de Chávez da mediação para uma troca de refénspor prisioneiros das Farc, disse em janeiro depois dalibertação unilateral de duas sequestradas pelas Farc queesperava boas notícias sobre Moncayo, sem acrescentar detalhes. A mediação foi interrompida por Uribe por considerar queChávez havia se excedido em suas funções, mas o presidentevenezuelano e Piedad Córdoba garantem que seguirão trabalhandopela troca humanitária. As Farc, com 17.000 combatentes, buscam intercambiar cercade 40 pessoas que mantêm sequestradas em duras condições naselva colombiana por 500 de seus combatentes presos. Durante a reunião do Grupo do Rio está sendo discutida atensão detonada com a morte do número 2 das Farc em umbombardeio da Colômbia em território equatoriano. (Por Ana Isabel Martínez e Patricia Rondón Espín)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.