Chávez eleva críticas à Obama sobre acordo com Colômbia

Presidente da Venezuela diz que americano está "perdido" e não entende que deve deixar a América Latina

Reuters

17 de agosto de 2009 | 09h52

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse no domingo, 16, que seu homólogo americano, Barack Obama, deveria entender que os EUA não podem interferir nos assuntos da América Latina.  O político socialista elevou o tom das suas críticas ao governo Obama às vésperas da assinatura de um novo acordo militar entre a Casa Branca e a vizinha Colômbia.

 

Veja também:

linkAcordo com Venezuela põe Rússia no impasse com a Colômbia

linkColômbia e EUA fecham acordo militar

linkEquador critica concessão de bases aos EUA

linkBases são ameaça à integração regional, diz Chávez

 especialEspecial: Por dentro das Farc

Chávez se referiu a declarações feitas semanas atrás por Obama, chamando de hipócritas os que pediam maior empenho de Washington pela restituição do presidente deposto de Honduras, o esquerdista Manuel Zelaya.

"Anda perdido na nebulosa de Andrômeda o presidente Obama, anda perdido, anda sem horizonte, não entende ... Obama está entrando em um labirinto terrível", disse Chávez em seu programa semanal de rádio e TV.

"Não estamos lhe pedindo que intervenha em Honduras, Obama; pelo contrário, lhe estamos pedindo, e somos coerentes os que o dizemos, que o império retire suas mãos de Honduras, e que o império retire suas garras da América Latina, já está bom", disse Chávez, sob aplausos.

O próprio Zelaya, aliado de Chávez, já declarou que os EUA são o único país com poder suficiente para promover o restabelecimento do regime democrático em Honduras.

Chávez disse que ele próprio está ameaçado de ser derrubado pelo "império", mas afirmou que o próprio Obama, "por ser negro", é alvo de antipatias e poderia ser destituído ou assassinado pelas elites norte-americanas, caso tente realizar mudanças profundas.

"Ele tem que estudar um pouco mais, é um homem jovem, acho que é um homem cheio de intenções boas", disse ele, que também conclamou os colombianos a manterem "sua dignidade" e rejeitarem a ampliação da presença militar dos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.