Chávez 'elogia' portunhol de Lula em coletiva sobre as Farc

Brasília confirma que Marco Aurélio Garcia acompanhará missão internacional de resgate dos reféns

Mariana Della Barba, de O Estado de S. Paulo,

26 de dezembro de 2007 | 19h01

No melhor estilo Fidel Castro, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, falou nesta quarta-feira, 26, durante mais de duas horas com jornalistas no Palácio de Miraflores, no centro de Caracas. Entre um detalhe e outro sobre seu plano de libertação dos reféns das Farc, Chávez aproveitou para fazer piada sobre a fluência no idioma espanhol do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.   Veja Também: Côlombia aceita plano de Chávez para resgate Chávez espera 'sinal verde' de Uribe para libertação de reféns Libertação será em caravana aérea, diz Chávez   "Eu conversei com o Lula na terça-feira [sobre a participação do Brasil na entrega dos seqüestrados] e ele está falando muito melhor o portunhol. Vocês não acreditam. Quando ele assumiu, eu entendia só uns 40% do que ele falava. Agora não, melhorou muito!", disse o líder venezuelano, arrancando gargalhadas de jornalistas e assessores.   Marco Aurélio Garcia, assessor especial de Lula para assuntos internacionais, também foi alvo das brincadeiras de Chávez, que revelou que o brasileiro seria o representante do país na libertação dos reféns."Marco Aurélio é muito experiente em questões internacionais e já participou de algumas bem delicadas. Durante a revolução na Bolívia, há muitos anos, ele estava em Santa Cruz de la Sierra quando, por telefone, me falou: 'Chávez, estão lançando dinamites aqui. O que eu faço?' E eu respondi: 'Corre, Marco Aurélio, corre!'."   O assessor especial da Presidência da República Marco Aurélio Garcia viaja nesta quarta-feira para Caracas para integrar o grupo de representantes de países que estão colaborando com a libertação de reféns das Farc. A participação de Marco Aurélio foi pedida pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez.   De acordo com informação do Palácio do Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversou na segunda e terça-feira com Hugo Chávez, que pediu a participação do Brasil no grupo que tem trabalhado pela libertação dos reféns. Lula disse que o Brasil faria parte da missão, desde que o governo da Colômbia concordasse. Com o sim do presidente Álvaro Uribe, Marco Aurélio Garcia foi destacado para viajar para Caracas. Ele estava de férias.   Chávez apresentou nesta quarta-feira o plano para o resgate dos três reféns prometidos pelas Farc na semana passada. A "fórmula", aprovada pela Colômbia, envolve representantes de Argentina, Bolívia, Brasil, Cuba, Equador e França, que viajariam numa caravana de aviões e helicópteros da Venezuela até a cidade colombiana de Villavicencio. Da cidade, embarcariam em helicópteros com emblemas da Cruz Vermelha Internacional até um ponto não revelado da selva, onde recolheriam os reféns e os levariam a Villavicencio ou diretamente a território venezuelano.   Com a autorização para entrar em espaço aéreo colombiano, Chávez afirmou que espera que os reféns sejam libertados até o final da quinta-feira. O líder ainda deixou claro que não participará pessoalmente da operação e afirmou que o ex-ministro do Interior Ramón Rodríguez Chacín foi designado para coordenar a ação.   Os três reféns que podem ser libertos - Clara Rojas, ex-chefe de campanha da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt; Emmanuel, o filho de Clara nascido em cativeiro; e a ex-parlamentar Consuelo González - são parte de um grupo de 45 pessoas seqüestradas pelas Farc que podem ser trocadas por cerca de 500 guerrilheiros presos. Entre os reféns está a Ingrid Betancourt, que no dia de Natal passou seu sexto aniversário em cativeiro.   ( Com Lisandra Paraguassú e agências internacionais)   Matéria atualizada às 21h.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcLularefénsChávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.