Arquivo/Efe
Arquivo/Efe

Chávez espera que quarta sessão de quimioterapia seja a última

Presidente disse esperar ser capaz de disputar nova campanha e quer governar mais dois mandatos

ANDREW CAWTHORNE, REUTERS

13 Setembro 2011 | 12h07

CARACAS - O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse na terça-feira que se submeteria a uma quarta sessão de quimioterapia em breve, mas que esperava estar totalmente recuperado até o final do ano, em tempo para a campanha eleitoral para a presidência.

O líder socialista de 57 anos lidera o maior exportador de petróleo da América do Sul desde 1999 e modificou a Constituição para permitir se candidatar à reeleição várias vezes. Mas sua esperança de um longo governo foi posta em dúvida pelo diagnóstico de câncer este ano.

Em um telefonema para um programa estatal de televisão matutino, Chávez disse que se recuperou de uma infecção na garganta que o manteve afastado da vista pública nos últimos dias e mostrou como estava vulnerável a infecções durante o tratamento do câncer.

"Tenho fé, minha recuperação caminha bem", disse.

Chávez -- que perdeu cabelo durante as primeiras três sessões de quimioterapia, levando simpatizantes a raspar suas cabeças em solidariedade -- disse que fará uma quarta rodada nos próximos dias.

"Depois dessa quimioterapia, se Deus quiser será a última, eu sem dúvida começarei a me exercitar", disse Chávez, que diminuiu sua rotina de trabalho durante o tratamento.

Os médicos devem fazer uma avaliação total em outubro para checar se não há mais células malignas, acrescentou o presidente.

Chávez quer estar em forma de novo para uma cúpula regional que a Venezuela deve sediar em 2 de dezembro. "Até essa data, eu devo estar completamente recuperado para uma atividade como esta", disse.

Chávez teve um tumor cancerígeno grande retirado em junho, mas não deu detalhes. Especialistas estimam que a operação -- e o tratamento -- foi ao redor do cólon ou da área pélvica.

Apesar das dúvidas entre analistas políticos e seus opositores, Chávez disse que ele deveria ser capaz de disputar uma campanha vigorosa antes da eleição presidencial de 2012, e reafirmou sua ambição de governar por pelo menos dois outros mandatos de seis anos.

Pesquisas de opinião mostram uma pequena solidariedade por Chávez desde que ele anunciou seu tratamento contra o câncer, e seu índice de aprovação está em mais de 50 por cento. Embora seja mais baixo do que em outros momentos de seu governo, ainda é um índice formidável para um homem que está no 13 ano de poder.

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELA CHAVEZ QUIMIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.