Efe/Palácio de Miraflores
Efe/Palácio de Miraflores

Chávez inaugura a 'Orinoquia', nova fábrica de celulares populares

Duas empresas oferecerão dois aparelhos cada uma; aparelho mais barato custará US$ 7

Efe,

21 Maio 2010 | 22h49

CARACAS- O presidente venezuelano Hugo Chávez inaugurou nesta sexta-feira, 21, a montadora de telefone chineses Orinoquia e reconheceu o fracasso do primeiro projeto neste campo, o telefone Vergatario, apresentado há dois anos.

 

Veja também:

linkGoverno da Venezuela confisca cem toneladas de alimentos da Polar

 

O presidente anunciou no ato de inauguração da nova empresa que o Vergatario será reativado e voltará ao mercado em breve, uma vez resolvidos os problemas que não permitiram ir além em seu já divulgado lançamento.

 

Com a inauguração das instalações da Orinoquia, dentro da base aérea militar Francisco Miranda, em Caracas, os venezuelanos poderão optar por quatro modelos de telefones celulares.

 

A empresa Vetelca venderá o Vergatario por 30 bolívares (US$ 7), e outro celular, ainda sem nome, por 160 bolívares (US$ 37), enquanto o Orinoquia terá o modelo com seu nome por 220 bolívares (US$ 51).

 

Chávez garantiu que modelos similares de firmas ocidentais são vendidos por ao menos o dobro dos preços, e disse que o Vergatario "é o mais barato do mundo porque nem na China se vende a esse preço".

 

O presidente atribuiu o fracasso da primeira iniciativa a barreiras burocráticas e à falta de comunicação entre as partes envolvidas - Venezuela e China.

 

A instalação inaugurada hoje conta com 46 funcionários de um bairro popular próximo e tem previsto montar 700 telefones ao dia, para chegar aos 2.000 quando alcançar o ritmo máximo de produção.

 

A demanda anual da Venezuela na telefonia celular é de 10 milhões de aparelhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.