Chávez muda fuso horário para que alunos aproveitem sol

Presidente atrasa relógio em meia hora para melhorar a quantidade de luz natural para os cidadãos

Agências internacionais,

23 de agosto de 2007 | 21h28

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, mudou o nome de seu país e remodelou a bandeira venezuelana em seus esforços na direção a um Estado socialista. Agora, Chávez, altamente popular por distribuir a riqueza obtida com o petróleo, pretende mudar o fuso-horário do país para que as pessoas aproveitem mais a luz do sol.   Segundo o ministro de Ciência e Tecnologia, Hector Navarro, a medida visa "uma distribuição mais justa do sol", o que ajudaria particularmente crianças pobres que acordam antes do amanhecer para ir à escola. A alteração será realizada antes o início do ano escolar no país, que acontece em três semanas.   Em setembro, a Venezuela atrasará os seus relógios em 30 minutos. O horário no país será estabelecido quatro horas e meia abaixo do fuso-horário de Greenwich.   A iniciativa de mudar o horário foi anunciada recentemente pelo presidente em seu programa dominical Alô Presidente .   Para Navarro, com a mudança muitos deixarão de se levantar antes do amanhecer e com uma sensação maior de descanso, ampliarão o rendimento no trabalho e estudantil. "Estudos científicos muito rigorosos determinaram que a atividade metabólica de seres vivos está sincronizada com a luz do sol", disse ele.   Navarro disse que o governo está planejando anunciar medidas adicionais para "fazer uso mais eficaz do tempo".   Segundo o jornal venezuelano El Universal, a Associação das Linhas Aéreas deve se reunir nos próximos dias para discutir a questão da mudança no horários dos vôos que estão em funcionamento no país.   O grupo pretende apresentar para autoridades uma série de recomendações para que as mudanças não tragam impactos severos na economia ou na programação aérea.   A Venezuela, que sob Chávez teve o nome oficialmente mudado para República Bolivariana da Venezuela, adotou seu atual fuso-horário nos anos 1960.

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELAFUSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.