Chávez nega com bom-humor rumores sobre emergência de saúde

Jornal afirmou na quarta à noite que presidente venezuelano foi internado com falência renal

Reuters

29 Setembro 2011 | 11h43

 

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ridicularizou nesta quinta-feira, 29, um relato da mídia americana de que ele havia sido levado às pressas para um hospital com falência renal relacionada ao tratamento para um câncer.

 

Veja também:

video VÍDEO: Chávez desmente condições ruins de saúde (Telesur)

"Estou bem, tomando o meu primeiro café do dia", disse um animado Chávez, de 57 anos, em um de seus telefonemas costumeiros para a televisão estatal. "Os que não me amam e me querem doente, bem, azar!"

O jornal de Miami El Nuevo Herald disse durante a noite de quarta-feira que Chávez havia sido internado em um hospital militar em Caracas devido a uma falência renal, que teria o deixado em situação grave.

O presidente não disse de onde estava ligando, mas insistiu que os últimos rumores sobre sua saúde estavam errados.

"Na noite passada eu soube que um grupo de pessoas estava espalhando boatos", disse Chávez que, como seu mentor Fidel Castro, é hoje tema de constante especulação sobre sua saúde.

"Precisamos parar as especulações. Peço ao povo venezuelano que ignore esses boatos. Se algo acontecer, eu seria o primeiro a lhes contar sobre qualquer dificuldade. Nada aconteceu além do normal no processo de tratamento."

Chávez completou quatro sessões de quimioterapia depois da cirurgia em Cuba para remover um tumor cancerígeno no início do ano.

O ex-soldado diz que está se recuperando completamente e que vai vencer um novo mandato de seis anos nas eleições presidenciais de 2012. Ele acusa seus oponentes de explorarem sua doença para obter ganho político.

"Os rumores são parte da estratégia deles, mas eles vão fracassar contra a realidade", disse Chávez.

O ministro da Informação, Andres Izarra, disse que os irresponsáveis repórteres, não seu chefe, é que precisavam de tratamento. "Os que deveriam ser internados são os jornalistas do Nuevo Herald, mas em um manicômio", disse no Twitter.

Chávez teve que reduzir um cronograma de trabalho duro. Antes da doença, ele fazia discursos frequentes ao país por até seis ou sete horas, bebia dezenas de xícaras de café por dia e dormia apenas poucas horas.

O presidente disse que estava trabalhando "com a velocidade reduzida" durante sua recuperação. Ele disse que enquanto os rumores sobre sua saúde circulavam na quarta-feira, ele se reunia com seu ministro das Relações Exteriores para falar sobre o encontro da ONU em Nova York.

Além de Chávez, de um pequeno círculo de confidentes e de seus médicos, muito pouco é conhecido sobre a condição precisa do presidente, levando analistas e especialistas médicos a especularem que ele pode estar escondendo algo.

Chávez cultivou uma imagem de um líder forte e amante do esporte, e embora sua doença tenha lhe garantido solidariedade e uma pequena vantagem nas pesquisas de opinião, também ameaçou danificar a aura de invencibilidade que ele ergueu durante os 13 anos no poder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.