Chávez ordena expulsão de estrangeiro que criticar governo

Presidente anuncia decisão um dia depois de presidente de uma organização mexicana falar mal da Venezuela

Efe,

23 Julho 2007 | 02h31

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ordenou no domingo, 22, à Vice-Presidência e aos Ministérios do Interior e de Relações Exteriores que expulsem do país estrangeiros que falem mal de seu governo.  Veja também: Chávez deve propor reeleição indefinida nos próximos dias "Estrangeiros que vierem aqui denegrir a imagem dos venezuelanos, e do governo livre, democrático e legítimo da Venezuela, têm que ser, com todo respeito, mandados para Maiquetía (aeroporto internacional de Caracas)", afirmou, em seu programa dominical Alô, presidente. Chávez falou sobre o tema um dia depois de o presidente da Organização Democrata Cristã da América (ODCA), Manuel Espino, declarar, em Caracas, que o governo venezuelano é um exemplo da "tendência demagógica, populista e autoritária que atenta contra as liberdades e direitos fundamentais dos cidadãos". Espino, que é líder do Partido Ação Nacional (PAN), do México, assinalou em entrevista coletiva que uma nova reforma constitucional, como a proposta por Chávez para anular os limites às reeleições presidenciais na Venezuela, lhe parecia "uma argúcia do presidente para se manter no poder". O mexicano também criticou a recente decisão de Chávez de não renovar a permissão da emissora privada de televisão RCTV para operar em sinal aberto. "Aparentemente, o presidente não gostou das críticas ao seu governo, e cometeu um abuso, um atropelo", criticou. "Até quando nós vamos permitir que um fulano de tal, de outro país do mundo, venha aqui mesmo, em nossa casa, para dizer que aqui há uma ditadura, e que o presidente é um tirano. Não, isso está proibido aos estrangeiros", disse hoje o governante. Chávez disse ainda que conversou no sábado à noite com o vice-presidente, Jorge Rodríguez sobre o assunto. E criticou a falta de ação do governo frente às críticas. "Nenhum estrangeiro, seja ele quem for, pode vir aqui e criticar o nosso governo. Aqueles que vierem devem ser expulsos deste país; não se pode permitir, é uma questão de dignidade", acrescentou. Chávez também revelou que, há pouco tempo, "deportaram da Colômbia dois venezuelanos, um reitor de uma universidade e um deputado, pois o governo colombiano considerou que estavam interferindo em seus assuntos internos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.