Chávez pede a Uribe que controle correntes 'belicistas'

O presidente venezuelano, Hugo Chávez,pediu nesta segunda-feira a seu colega colombiano, AlvaroUribe, que reflita e evite as correntes "belicistas" defuncionários do seu governo, aos quais acusou de seremporta-vozes do "império" norte-americano. Colômbia, Equador e Venezuela passaram por uma crisediplomática recentemente, após militares colombianos realizaremum bombardeio em território equatoriano, no qual morreu umlíder da guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia(Farc). Na inauguração de instalações hospitalares no oeste daVenezuela, Chávez criticou as declarações do ministro de Defesacolombiano, Juan Manuel Santos, nas quais ele voltou ajustificar o ataque a "um local de terroristas". "Nós queremos paz. Não se deixe levar presidente Uribe poressas correntes terríveis do belicismo, da agressão.Respeitemos a soberania dos nossos países", afirmou Chávez. "Muito nos custou voltar ao caminho das boas relações (...)Não queremos uma nova escalada de tensões entre nós",acrescentou. Além disso, o venezuelano pediu ao colombiano que controleas declarações dos seus funcionários. "Ponha em bons cuidados os porta-vozes da guerra, como seuministro da Defesa. É um porta-voz da guerra, é um porta-voz doimperialismo, é um porta-voz do império", disse Chávez. Santos fez as declarações após o presidente do Equador,Rafael Correa, afirmar no fim de semana que a crise poderiaagravar-se caso fosse comprovado que um cidadão do seu paístinha morrido no ataque (a morte do equatoriano foi confirmadaposteriormente). Chávez também voltou a acusar o "imperialismo"norte-americano de tentar criar uma crise regional. (Por Fabián Andrés Cambero)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.