Efe/Palácio de Miraflores
Efe/Palácio de Miraflores

Chávez pede que concessão de canal de TV de bispos seja revisada

Medida faria parte de revisão do convênio pelo qual governo oferece 'certos privilégios' ao Vaticano

Efe,

20 de julho de 2010 | 19h14

CARACAS- O presidente venezuelano Hugo Chávez pediu terça-feira, 20, ao ministro do Interior, Tareck El Aissami, para "revisar" a concessão de um canal outorgada ao Arcebispado de Caracas para "recuperá-lo" e "colocá-lo às ordens do povo".

 

Veja também:

linkVenezuela terá até 48% de ações de última TV crítica a Chávez

 

O governante fez o pedido sobre a emissora Vale TV depois de ratificar sua vontade de revisar o convênio da Venezuela com o Vaticano e de convidar o núncio apostólico Pietro Parolin a "conversar sobre o tema".

 

"Revisemos (a concessão da Vale TV), Tareck, para recuperar esse canal e colocá-lo às ordens do povo", disse Chávez em um ato com membros da Polícia Nacional Bolivariana transmitido pela TV.

 

A Vale TV se identifica em sua página na web como um canal aberto e sem fins lucrativos dedicado à cultura, que sucedeu a Televisora Nacional, canal 5, primeiro canal público de televisão da Venezuela.

 

Em 1998, o então presidente venezuelano, Rafael Caldera, outorgou a concessão deste canal ao Arcebispado de Caracas, que iniciou as transmissões no fim do mesmo ano.

 

Chávez afirmou que Caldera "entregou" o canal 5 à "hierarquia eclesiástica em 1998", "violando um conjunto de procedimentos".

 

A atual tensão entre a Igreja venezuelana e o governo chavista começou em julho, quando o arcebispo de Caracas, Jorge Urosa Savino, disse que Chávez estava violando a Constituição ao querer impor uma ditadura comunista no país, ao que o governante respondeu chamando o cardeal de "troglodita" e "indigno".

 

Chávez disse que o secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone, conversou nesta semana com o chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, "preocupado" com declarações recentes sobre a revisão do acordo de 1964, no qual o Estado venezuelano concedeu "certos privilégios" à Igreja do país.

 

O acordo compromete o envio de recursos provenientes da exportação de petróleo para o financiamento de obras sociais e projetos educativos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.