Chávez pede que Obama corrija 'erro' a favor de Micheletti

Presidente venezuelano acusa Hillary Clinton de promover diálogo com líder autoproclamado de Honduras

Efe,

10 de julho de 2009 | 16h25

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, pediu nesta sexta-feira, 10, ao líder dos Estados Unidos, Barack Obama, que reconsidere o "erro gravíssimo" de sua secretária de Estado, Hillary Clinton, de promover um diálogo que favoreça o chefe de Estado autoproclamado de Honduras, Roberto Micheletti. "Estamos enfrentando este gravíssimo erro com boa fé, diante do que se transformou em uma armadilha para a democracia", disse com Chávez, que qualificou Micheletti como "um usurpador" que deveria ter sido preso na quinta-feira na Costa Rica.

 

Veja também:

linkUE considera congelar ajuda financeira de Honduras

linkOEA critica 'intransigência' de negociadores de Honduras

mais imagens Imagens de protestos em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

som Podcast: Gustavo Chacra fala sobre expectativa de negociações

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

 

O chefe de Estado venezuelano acrescentou que não tem certeza "se ela (Hillary) consultou Obama" sobre esse diálogo, que avaliou como "já abortado e sepultado", embora ainda fique "alguma chama acesa". Depois de exigir de Washington que, além de retificar, "faça algo mais", como retirar vistos, congelar propriedades e contas bancárias americanas "dos golpistas", Chávez denunciou planos de golpes de Estado similares na Guatemala, Nicarágua e El Salvador.

 

O presidente da Costa Rica, Oscar Arias, que atua como mediador nos diálogos entre delegações do presidente hondurenho deposto, Manuel Zelaya, e de Micheletti, eleito pelo Congresso após o golpe militar, se emprestou a este "precedente nefasto", lamentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.