Chávez pede que população use lanterna para ir ao banheiro

Presidente venezuelano ordena redução de 20% do consumo elétrico e para evitar colapso do setor no país

estadao.com.br,

04 Novembro 2009 | 09h46

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, sugeriu que a população use lanternas em vez de acender a luz para ir ao banheiro durante a noite para evitar o desperdício de energia elétrica no país. Segundo a agência de notícias AFP, ele ainda alertou que fará visitas-surpresa em grandes empresas para avaliar o consumo de eletricidade e aplicará multas se for preciso.

 

Veja também:

especial Especial: A trajetória de Hugo Chávez

especial Especial: Chávez consagra receita do "governo ao vivo"

 

"Se você se levanta às três da manhã para ir ao banheiro, compadre, por quê vai gastar este pouco de luz? Coloque uma lanterna ali, na mesa de cabeceira", pediu o presidente. Chávez ordenou ainda uma redução de 20% do consumo elétrico de todos os órgãos públicos como parte de seu plano para enfrentar a crise energética que atinge o país.

 

O chefe de Estado ainda confirmou um novo ministro, que buscará eficiência e a redefinição das políticas do setor elétrico, para enfrentar a diminuição da produção das centrais hidrelétricas e os apagões na Venezuela. Entre as atribuições do ministro da Energia Elétrica, Angel Rodríguez, está a aplicação de políticas para reduzir o consumo no país e penalizar empresas, comércios e residências que desperdiçarem, inclusive com o corte de fornecimento.

 

Segundo Chávez, as empresas e organismos do Estado têm 15 dias para apresentar "um programa severo de redução intensiva de consumo elétrico". Ele ainda pediu o vice-presidente Ramón Carrizález que corte o abastecimento de órgãos governamentais que desperdiçam eletricidade. "Se acontecer uma vez, corte por um dia; se acontecer uma segunda vez, corte por um mês; se acontecer uma terceira, corte para sempre, até nova ordem".

 

Desde abril de 2008, a Venezuela sofreu ao menos quatro apagões de alcance nacional e outros menores. Os responsáveis locais reconheceram que o setor, nacionalizado em 2007, necessita de um grande investimento financeiro para se modernizar e ampliar sua capacidade de produção.

 

Racionamento de água

 

Nesta semana, o governo da Venezuela iniciou um programa de racionamento de água na capital, Caracas. Diversos distritos da cidade ficarão 48 horas sem água na próxima semana. Segundo a BBC, a medida é uma tentativa de lidar com o déficit hídrico de 25% e deve permanecer em vigor por seis meses, até o retorno da estação de chuvas no país. Chávez pediu aos venezuelanos que parassem de "cantar no chuveiro" e não tomassem banhos de mais de três minutos.

Mais conteúdo sobre:
Venezuela Hugo Chávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.