Chávez propõe grupo multilateral para mediar conflito com Farc

Presidente venezuelano afirma que idéia conta com o respaldo de Brasil, Equador, Argentina, França e Suíça

REUTERS

29 de fevereiro de 2008 | 07h36

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, sugeriu na quinta-feira, 28, a criação de um grupo multilateral que atue como mediador entre o governo e a guerrilha colombiana para se chegar a uma troca que permita a libertação de dezenas de pessoas sequestradas. Segundo ele, sua idéia conta com o respaldo do Secretário Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) e dos presidentes do Brasil, Equador, Argentina, França e do governo suíço. Veja também:Ex-refém relata fuga frustrada ao lado de Ingrid Farc recebem provisões brasileiras, diz ex-refémPor dentro das Farc  Reféns colombianos: do seqüestro à liberdadeQuem são os 4 reféns libertados na Colômbia"Há uma proposta que estou fazendo que é acompanhada por um número importante de governos, que estão de acordo para formar um grupo (de mediação), como o Contadora", disse Chávez, referindo-se ao grupo multilateral que promoveu a paz na América Central durante a década de 1980, após anos de conflitos armados internos. A guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) quer trocar 40 sequestrados "políticos", entre eles a ex-candidata presidencial franco-colombiana Ingrid Betancourt e três cidadãos norte-americanos, por cerca de 500 guerrilheiros presos. De acordo com o governo colombiano, existem outras 700 pessoas nas mãos do grupo. Desde o começo do ano, as Farc libertaram unilateralmente as políticas Clara Rojas, Consuelo González e os ex-congressistas Gloria Polanco, Jorge Gechem, Luis Eladio Pérez e Orlando Beltrán.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaVenezuelaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.