Chávez quer conversar com guerrilhas da Colômbia

Presidente venezuelano quer colaborar na solução do conflito interno no país

REUTERS

06 de agosto de 2007 | 09h17

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez,disse no domingo que "gostaria de falar politicamente com oscomandos guerrilheiros da Colômbia" para tentar colaborar nasolução do conflito interno do país vizinho. Os comentários foram feitos em seu programa de rádio etelevisão "Alô, Presidente", depois que a senadora colombianaPiedad Cordoba lhe pediu, ao vivo, que atuasse em favor de umacordo humanitário no seu país. "Sempre dissemos que no caso da Colômbia estamos dispostosa fazer o que pudermos fazer no caminho para a paz", afirmouChávez, que, em seus mais de oito anos de governo, teve algunsconflitos diplomáticos com Bogotá. "Nós gostaríamos de ajudar, Piedad, mas claro que issodepende dos atores lá. O que mais podemos fazer? De todo modo,diante do seu novo pedido, eu prometo e me comprometo a revisartudo e fazer o que puder", disse. O presidente da Colômbia, Alvaro Uribe, anunciou naquinta-feira que está disposto a criar uma zona de encontropara selar a paz em 90 dias com a maior guerrilha esquerdistado país, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc),se o grupo libertar as dezenas de pessoas que mantém reféns. As Farc, o grupo rebelde ativo mais antigo da AméricaLatina, mantêm 49 reféns, que tenta trocar por centenas deguerrilheiros presos. No programa, Chávez disse que um problema do conflito naColômbia são os Estados Unidos, porque "promovem a guerra,porque lhe convém a guerra na Colômbia". A Colômbia é o maior aliado político de Washington naregião. (Por Ana Isabel Martínez)

Tudo o que sabemos sobre:
MUNDOVENEZUELACHAVEZFARC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.