Chávez se desgasta, mas não conhece oponente

Presidente venezuelano despenca em pesquisa de intenção de voto contra "cualquier otro candidato"

Daniel Jelin, estadao.com.br

27 de agosto de 2009 | 23h00

Desde 2006 o presidente venezuelano Hugo Chávez tem perdido pontos nas pesquisas de intenção de voto do grupo Keller y Asociados. Em julho, chegou a 41% e pela primeira vez desde 2004 apareceu em desvantagem em relação a "cualquier otro candidato" (47%). Em agosto, oscilou mais 3 pontos para baixo e chegou a 38%, contra 60% no primeiro trimestre de 2005.

 

 

especialEspecial: Hugo Chávez consagra receita do "governo ao vivo"

 

A disputa entre Chávez e "cualquier otro" é sintomática: em 10 anos, a oposição venezuelana não emplacou nenhuma liderança capaz de dobrar Chávez nas urnas - embora tenha tentado fazê-lo fora delas, no fracassado golpe de Estado de 2002. Alfredo Keller, à frente do instituto de pesquisas, explica que a oposição venezuelana é inconsistente, e seus líderes não têm força: "Porque os que são fortes ou estão no exílio ou são desacreditados pelo aparato de propaganda permanente do governo."

 

Keller lista cinco razões para o desgaste de Chávez...

 

>> não deu solução aos principais problemas dos venezuelanos, especialmente em segurança, criminalidade, alto custo e qualidade de vida;

>> não cumpriu compromissos com os trabalhadores;

>> estimulou o conflito e a violência social;

>> há um repúdio às iniciativas contra a liberdade;

>> há uma leitura crescente de que se Chávez se converte em um ditador

 

... e mais quatro razões para sua popularidade oscilar ao longo dos anos, ora a favor, ora contra:

 

>> é um excelente candidato, com carisma, capacidade de ataque para desqualificar seus oponentes e muito pouco escrúpulo para violar as leis e utilizar recursos públicos;

>> controla pessoalmente todo o aparato burocrático do Estado;

>> entre as eleições, atua como ditador, e sua popularidade cai; em campanha, é generoso com o povo, distribui dinheiro público, e sua popularidade sobe;

>> a oposição é inconsistente.

 

A percepção de que faltam alternativas políticas a Chávez foi captada em enquete de outro instituto de pesquisa, o Hinterlaces. Em junho, o grupo mediu que a popularidade do presidente havia caído 11 pontos desde fevereiro, chegando a 41%. Em agosto, apontou que 72% dos venezuelanos reprovam o fechamento de 34 rádios e 57% rejeitam o "socialismo do século 21". Mas para 75% dos venezuelanos, faltam novos líderes ao país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.