Chávez se vê ameaçado pelos EUA por laços com Irã

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse no domingo que o alerta da secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, para que os países latino-americanos não se aproximem do Irã foi uma "ameaça aberta", especialmente ao seu país e à Bolívia.

REUTERS

14 de dezembro de 2009 | 10h30

Durante uma reunião de líderes esquerdistas em Cuba, Chávez disse que as palavras de Hillary estão entre "os sinais mais claros de uma ofensiva imperialista" contra as "forças progressistas" latino-americanas.

Chávez, um dos maiores rivais dos EUA no continente, está entre os vários governantes latino-americanos que vêm fortalecendo as relações diplomáticas e comerciais com o Irã, apesar da crescente pressão de países ocidentais desenvolvidos contra o programa nuclear iraniano. No final de novembro, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, visitou Brasil, Bolívia e Venezuela.

Hillary disse na semana passada que seria uma "ideia realmente ruim" se aproximar de Teerã, que e isso trará consequências negativas para a América Latina.

Além de Chávez, a chancelaria boliviana também condenou o comentário.

"É uma ameaça aberta," disse Chávez a jornalistas em Cuba. "Suas declarações são como uma ameaça, especialmente contra Venezuela e Bolívia."

(Reportagem de Nelson Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELACHAVEZAMEACAEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.