Chávez vai à Colômbia negociar libertação de reféns das Farc

Situação que provocou tensões no passado entre os dois países é agora uma incursão direta e autorizada

REUTERS

30 de agosto de 2007 | 16h05

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, chega na sexta-feira à Colômbia com a difícil missão de facilitar o acordo entre o governo de Alvaro Uribe e a maior guerrilha esquerdista colombiana, para obter a libertação de 49 reféns.   Sarkozy aceita ajuda de Chávez para libertar BetancourtChávez concede indulto a 41 paramilitares colombianos A interferência do venezuelano é, segundo analistas, uma incursão direta e autorizada no conflito interno colombiano, situação que no passado provocou tensões entre Colômbia e Venezuela.Entre os reféns em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) estão a ex-candidata à Presidência colombiana Ingrid Betancourt, três norte-americanos, um ex-governador e vários militares, alguns há quase 10 anos em cativeiro na selva.Chávez, marcado por sua retórica anti-EUA, e Uribe, o maior aliado latino-americano dos Estados Unidos, vão se reunir na fazenda presidencial de Hato Grande, nos arredores de Bogotá.O venezuelano goza da simpatia da guerrilha esquerdista, embora negue manter ligações com o grupo. Mas há uma convergência ideológica entre as Farc e Chávez."Tomara que possamos conseguir que essas pessoas voltem sãs e salvas a seus lares e que se cumpra o acordo humanitário", disse Chávez recentemente, depois de se encontrar com familiares dos reféns.O esforço pela libertação já envolveu também o novo presidente da França, Nicolas Sarkozy. Betancourt tem cidadania francesa.

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIACHAVEZFARC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.