Chávez vê menos comércio Colômbia-Venezuela e mira Brasil

O presidente venezuelano, HugoChávez, ameaçou nesta terça-feira cortar as relações comerciaisde seu país com a Colômbia, em mais um episódio da grave crisediplomática entre as duas nações. A Venezuela, que enfrenta problemas de abastecimento deprodutos básicos, é o principal destino das exportaçõesmanufatureiras da Colômbia, mas Chávez disse que está dispostoa passar a comprar produtos brasileiros em vez dos colombianos. "Esta relação comercial que tanto nos custou construir, eque este ano poderia chegar a mais de 5 bilhões de dólares, eutenho certeza que será prejudicada, porque eu agora, em vez decomprar da Colômbia muitas coisas, vou comprar no Brasil",afirmou o presidente a jornalistas nesta madrugada. "Agora falei com (o presidente de Honduras, Manuel) Zelaya,que tem uma forte pecuária... Então, falta confiança para asrelações comerciais, que foi pulverizada. Eu não confio nogoverno da Colômbia para nada", acrescentou Chávez. Entre janeiro e agosto de 2007, houve um superávit de 1,815bilhão de dólares no comércio bilateral entre Venezuela eColômbia. A crise nas relações entre Bogotá e Caracas começou no mêspassado, depois que o presidente colombiano, Alvaro Uribe,suspendeu a mediação que Chávez fazia com as Forças ArmadasRevolucionarias da Colômbia (Farc) para tentar a libertação dereféns sequestrados pelos guerrilheiros, incluindo aex-candidata presidencial Ingrid Betancourt. Após esse episódio, Chávez chamou Uribe de mentiroso, quereagiu acusando o venezuelano de legitimar a guerrilha eliderar um projeto expansionista. Empresários calculam que as exportações colombianas para opaís vizinho seriam de 4,3 bilhões de dólares este ano, com umcrescimento de cerca de 60 por cento em relação ao anoanterior. O comércio entre os dois países envolve cerca de 2.000empresas colombianas dos setores automotivo, alimentício e daindústria manufatureira, gerando mais de 1 milhão de empregosde ambos os lados da fronteira. Chávez também se referiu ao prejuízo que a crisediplomática poderia causar nos investimentos de empresasvenezuelanas na Colômbia. "Eu estava disposto a cooperar para aumentar osinvestimentos da Colômbia na Venezuela e os da Venezuela naColômbia, mas com o fim da confiança... isso é impossível",disse Chávez. "Não há confiança para nada", acrescentou o presidente, queassegurou ainda que a crise com Bogotá acaba definitivamentecom a possibilidade de retorno da Venezuela ao bloco comercialComunidade Andina de Nações (CAN). "Estávamos conversando sobre a possibilidade de voltar àCAN. Não! Disse a (Rafael) Correa (presidente do Equador) e aEvo (Morales, presidente da Bolívia) 'esqueçam, eu não volto àCAN enquanto Uribe estiver lá, é impossível"', disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.