Chávez vê situação 'muito complicada' com a Colômbia

O presidente venezuelano, Hugo Chávez,afirmou na quinta-feira que a situação das relações com aColômbia permanece "muito complicada" e acusou Bogotá dedesrespeitá-lo ao divulgar documentos supostamente encontradosno computador de um dirigente guerrilheiro morto em março. Chávez reiterou que espera novos gestos do governocolombiano para resolver assuntos como a libertação de refénsda guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc),especialmente a ex-candidata a presidente Ingrid Betancourt,que está gravemente doente. "Estou disposto a continuar cooperando (na mediação), mas éclaro que a situação está muito complicada, extremamentecomplicada", disse ele pela TV. Chávez comentou que falou com o presidente da França,Nicolas Sarkozy, a quem disse ter pedido que dialogue com seuhomólogo norte-americano, George W. Bush, para que se avance nalibertação de Betancourt. "Assim eu recomendei a ele: fale comBush", afirmou. Chávez disse ainda que estaria disposto a viajar comSarkozy à Colômbia para buscar Betancourt. Na quinta-feira, aFrança enviou um avião e uma equipe médica para tentar teracesso à refém e tratá-la. "Estou às ordens, apesar das punhaladas que temosrecebido", disse Chávez. As relações entre Bogotá e Caracas se complicaram quandoUribe suspendeu, no ano passado, o papel de mediador de Chávezno processo que poderia levar à troca de reféns das Farc porguerrilheiros presos. A situação diplomática piorou ainda mais no começo demarço, devido à ação militar colombiana contra um acampamentodas Farc em território equatoriano, que resultou na morte dodirigente rebelde Raúl Reyes. Em apoio a Quito, Caracas rompeurelações com Bogotá e enviou tropas à fronteira. (Por Fabián Andrés Cambero)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.