Chavismo cresce e oposição tem pequeno avanço na Venezuela

Antichavistas mantiveram dois Estados populosos e venceram Grande Caracas; PSUV retomou quatro províncias

Redação com agências internacionais

24 de novembro de 2008 | 08h13

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), do presidente Hugo Chávez, ganhou as eleições regionais na maioria dos Estados no domingo, mas a oposição venceu nas duas províncias mais populosas do país e derrotou o governo na Grande Caracas, informou a Justiça eleitoral do país na madrugada desta segunda-feira, 24. Veja também: Veja galeria de imagens da votação na Venezuela  Enviada especial conta clima das eleições  Cronologia do processo eleitoral venezuelano  Os aliados de Chávez ganharam em 17 dos 22 Estados, apesar das reclamações de que o governo fez pouco para conter o alto número de assassinatos e a maior inflação da América Latina. O PSUV recuperou os Estados de Trujillo, Aragua, Guárico e Sucre de dissidentes chavistas. O governo manteve ainda Barinas, terra natal do líder e onde seu irmão, Adán Chávez,concorreu. A oposição manteve os dois Estados ganhos nas últimas eleições regionais, há quatro anos, e venceu na área metropolitana de Caracas, que é densamente povoada, além de obter a prefeitura da capital. Eles governarão 6,6 milhões dos 24 milhões de habitantes do país.Em dois Estados, Táchira e Carabobo a autoridade eleitoral informou que ainda não podia apontar um vencedor, mas a oposição declarava vitória apertada baseada em dados locais. O comparecimento bateu recorde nas eleições regionais. Em um país onde o voto não é obrigatório, 65% dos venezuelanos foram às urnas. RepercussãoChávez, que fez uma campanha frenética dizendo que seu futuro politico estava em jogo, declarou vitória. Enquanto seu partido diz que o mapa político é predominantemente vermelho e os socialistas ganharam 1,5 milhão de votos a mais, a oposição afirma que agora governa as áreas mais populosas do país, regiões-chave em eleições futuras.O presidente apontou o comparecimento recorde dos eleitores nos últimos anos como um sinal de que a democracia do país é saudável. "Quem pode dizer que há uma ditadura na Venezuela?", indagou. Ele ressaltou que as instituições venezuelanas estão em pleno funcionamento, apesar das denúncias de fraudes levantadas pela oposição. "Nós respeitamos a decisão do povo", afirmou. Os governadores de oposição eleitos prometeram trabalhar de forma coordenada com o presidente. Henrique Capriles,que venceu em Miranda afirmou que não pretende "brigar" com o governo."Somos um país que está cansado da briga, da divisão",acrescentou Capriles.O governador eleito de Zulia, Pablo Pérez, pediu respeito de Chávez, mas prometeu parceria. "Vamos trabalhar com o Governo Nacional, o que nos importa é o estado de Zulia", disse. O prefeito eleito do município Metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, afirmou que governará com amplitude."É tempo de unidade" falou o prefeito eleito, que dedicou sua vitória aos mais humildes.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuelaeleiçõeschávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.