Chefe da OEA diz confiar em trabalho da Interpol sobre Farc

O secretário-geral da OEA, José MiguelInsulza, disse nesta sexta-feira que confia na seriedade dotrabalho técnico da Interpol sobre os arquivos dos computadoresde um falecido líder guerrilheiro colombiano das Farc. A Interpol divulgou na quinta-feira um relatórioconfirmando que não foi alterado o conteúdo dos computadoresapreendidos num acampamento das Farc que foi bombardeado porforças colombianas em território equatoriano. O ataque matou olíder rebelde Raúl Reyes, e desatou uma crise diplomática. "Foi uma ação técnica, um trabalho técnico, como trabalhotécnico não tenho dúvidas, porque conheço a Interpol e o seuprestígio", disse Insulza a jornalistas durante a cúpula delíderes da América Latina e União Européia. O governo de Bogotá havia se baseado nestes arquivos paraacusar a Venezuela e o Equador de apoiar as Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc), o que agravou a crisediplomática entre os três países. O estudo da Interpol enojou o presidente venezuelano, HugoChávez, que o classificou como um "show midiático" impulsionadopelo governo colombiano e anunciou que colocaria sob "profundarevisão" as relações com o presidente colombiano, Álvaro Uribe. Já Uribe declarou em Lima que o relatório da Interpoldemonstrou a honestidade com a qual atuaram as autoridades deseu país. "As conclusões políticas são tiradas por outros, eles (aInterpol) tiraram conclusões técnicas do que foi pedido",afirmou o chefe da Organização dos Estados Americanos. Os arquivos analisados pela Interpol foram achados em trêscomputadores que pertenciam a Reyes, considerado o segundo nomedas Farc. (Reportagem de Marco Aquino)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.