Hugo Infante /gov do Chile/AP
Hugo Infante /gov do Chile/AP

Chefe do resgate dos mineiros pode ajudar em acidente na Colômbia

Dois mineradores estão presos em mina de Tasco, mas ainda não se sabe se sobreviveram

Efe,

14 de outubro de 2010 | 18h08

COPIAPÓ, CHILE- O chefe das operações de resgate dos 33 mineradores chilenos presos até ontem no norte do país, André Sougarret, se mostrou nesta quinta-feira, 14, disposto a colaborar no acidente que deixou dois operários desaparecidos em uma jazida na Colômbia.

 

Veja também:

blog Enviada especial: A emoção do parto dos mineiros

blog Veja no blog como foi a operação

mais imagens Confira as fotos do local

linkSaiba quem são os mineiros

linkImagem do Chile se fortalece com o resgate

linkResgate custou US$ 22 milhões

especialESPECIAL: Como é feito o resgate

 

"Se nos pedem colaboração, estamos dispostos a ajudar", disse Sougarret durante entrevista coletiva na mina San José, onde na noite de quarta-feira foram concluídos os trabalhos de resgate.

 

O acidente com os dois mineradores colombianos ocorreu na terça-feira na jazida carbonífera de La Esperanza, a cerca de 60 metros de profundidade, na cidade de Tasco, no departamento de Boyacá.

 

Após uma nova explosão na mina hoje, ficou reduzida a esperança de resgatar com vida os dois mineradores, Hernán Alfonso Barrera e John Freddy Ordóñez.

 

Após o novo acidente, as equipes de resgate trabalham em outro túnel paralelo para conseguir chegar onde acredita-se que os mineiro estão. Não se sabe se eles sobreviveram.

 

Segundo Luis Fernando Piñeros, diretor da Defesa Civil em Boyacá, "no túnel paralelo que está sendo construído hoje há uma rocha muito difícil de romper e por isso a escavação foi atrasada. Ainda assim, continuamos trabalhando sem parar um minuto".

 

André Sougarret, engenheiro civil de minas e gerente da jazida El Teniente, propriedade da estatal chilena Corporación Nacional del Cobre (Codelco), foi designado para comandar o inédito operacional de salvamento que conseguiu resgatar os 33 mineradores que estavam presos a 700 metros de profundidade desde 5 de agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.