Chile indicia três oficiais por crimes durante ditadura

Os crimes sob investigação estão ligados à Caravana da Morte, que matou mais de 90 dissidentes

Associated Press,

20 de abril de 2009 | 14h36

Três oficiais reformados do Exército chileno, incluindo um general, foram indiciados pelo assassinato de 14 dissidentes nos primeiros dias da ditadura do general Augusto Pinochet, que controlou o país de 1973 a 1990.

 

A Corte de Apelações de Santiago informa que o juiz Victor Montiglio indiciou o general Gonzalo Santelices, o major Patricio Ferrer e o tenente Pablo Martinez como cúmplices nas mortes. Os três oficiais estão detidos num quartel.

 

Os crimes sob investigação estão ligados à chamada Caravana da Morte, uma expedição militar que deixou mais de 90 prisioneiros políticos mortos ao percorrer o país pouco depois do golpe encabeçado por Pinochet em 1973.

 

Quando se reformou, em 2008,  Santelices comandava  a guarnição militar de Santiago, a maior do país.

Tudo o que sabemos sobre:
chilepinochetditadura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.