Chile investiga bomba em frente da Embaixada do Brasil

A polícia chilena investigava naquarta-feira a explosão de uma bomba "caseira" na frente daEmbaixada do Brasil em Santiago. A detonação do artefato provocou somente alguns danosmateriais e, por enquanto, nenhum grupo ou pessoa reivindicou aautoria da ação. Nas primeiras horas da quarta-feira, uma bomba atingiu oprédio da delegação diplomática brasileira, localizado naregião central da capital chilena, deixando janelas quebradas emuros danificados. "Esse artefato explosivo é um artefato feito com pólvoranegra colocada dentro de um tubo metálico ao qual se prendeu umpavio de combustão lenta. Ele não provocou nenhum tipo de dano.Apesar disso, realizaremos as investigações pertinentes",afirmou a jornalistas o subsecretário chileno do Interior,Felipe Harboe. O embaixador do Brasil em Santiago, Mario Vilalva, disseter ficado surpreso com o ataque, o qual, segundo informaçõesdele, não foi antecedido por nenhum tipo de ameaça. Vilalvaacrescentou ainda que câmeras de segurança do prédioregistraram o ocorrido. "Pode-se ver que houve uma pessoa encapuzada que chegouperto da grade da embaixada e tirou do bolso o que seria oartefato explosivo. Esse foi detonado cinco minutos mais tarde.Depois a pessoa sai e há um veículo à espera dela", afirmou oembaixador. A polícia já analisa as imagens gravadas pelas câmeras desegurança, afirmou Harboe. Policiais disseram que, nas imediações da embaixadabrasileira, não foram encontrados panfletos, pichações ououtros elementos que pudessem ajudar a descobrir a identidadedos autores daquela ação. "Tampouco houve, depois, uma reivindicação de autoria",afirmou Vilalva. (Reportagem de Antonio de la Jara e Mónica Vargas. Comcolaboração de Eduardo Simões em São Paulo e Bianca Frigiani emSantiago)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.