Chile julga 4 suspeitos de assassinar ex-presidente, diz rádio

Eduardo Frei Montalva governou o país entre 1964 e 1970 e morreu durante a ditadura de Pinochet

Reuters,

07 de dezembro de 2009 | 14h36

Um juiz chileno ordenou nesta segunda-feira, 7, o julgamento de quatro pessoas pelo assassinato do ex-presidente Eduardo Frei Montalva, cujo filho está concorrendo à presidência do país neste final de semana, disse uma rádio local.

A Rádio Cooperativa afirmou que entre os quatro suspeitos estão dois médicos que atendiam o presidente Frei Montalva, que governou o país entre 1964 e 1970 e morreu em 1982, após tratamento para uma hérnia, aos 71 anos.

Autoridades disseram à época que ele morreu devido a uma infecção bacteriana. Seu filho, Eduardo Frei, também ex-presidente entre 1994 e 2000 e que está em segundo lugar nas pesquisas antes da eleição de 13 de dezembro, afirma que seu pai foi morto pela ditadura de Augusto Pinochet.

Frei, candidato do governo da coalizão de centro-esquerda, deve disputar um segundo turno em janeiro contra o favorito das pesquisas Sebastián Piñera, um conservador, cuja base eleitoral inclui ex-partidários de Pinochet.

Piñera tem se distanciado de Pinochet, que morreu em 2006 sem jamais ter sido julgado pelos abusos aos direitos humanos cometidos sob seu governo. Mais de 3.000 pessoas foram mortas ou desapareceram sob o governo Pinochet (1973 e 1990), e cerca de 28.000 foram torturadas.

Uma vitória de Piñera poria fim a duas décadas de governo da coalizão de centro-esquerda, que chegou ao poder com o fim da ditadura de Pinochet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.