Chile oferece asilo a dissidente cubano que chegará a Madri na terça

Mais oito presos políticos chegarão amanhã à Espanha como parte de processo de libertação

Efe,

19 de julho de 2010 | 18h19

SANTIAGO- O governo chileno ofereceu nesta segunda-feira, 19, acolher como refugiado político o dissidente cubano José Ubaldo Izquierdo Hernández, que chegará a Madri nesta terça junto a outros sete presos libertados pelas autoridades da ilha.

 

Veja também:

linkGoverno de Madri critica trato a dissidentes cubanos na Espanha

blog Fariñas: 'Temos de aproveitar a janela'

especialEntenda a crise dos presos políticos de Cuba

lista Veja lista dos 52 presos políticos

 

Quem deu as informações foi o senador chileno Patricio Walker, após ter conversado com Berta Soler, umas das líderes do grupo opositor Damas de Branco, que o pediu para acompanhar a chegada de Izquierdo ao Chile.

 

Walker se reuniu nesta segunda com o ministro de Relações Exteriores do Chile, Alfredo Moreno, para discutir o asilo do dissidente. "(Izquiero) vai chegar a Madri e tem a intenção de vir com sua família para o Chile. Pedi ao chanceler que déssemos a ele a condição de refugiado político, residência e visto de trabalho, e o ministro aceitou os pedidos", disse o senador.

 

Izquierdo, coordenador da Comissão Cuba e delegado do Partido Liberal Democrático, foi preso junto a outras 74 pessoas em 19 de março de 2003 por apoiar o Projeto Varela, que exigia maiores liberdades na ilha. Ele viajará acompanhado de sua mulher, dois filhos, seus sogros e um sobrinho.

 

Todos os presos remanescentes do grupo de 2003 serão libertados de forma gradual em um prazo de quatro meses pelo governo de Cuba, graças a um acordo firmado com a Igreja católica do país e mediado pela Espanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.