Chile sofre apagão elétrico

Segundo fontes oficiais, apagão não tem relação com terremoto; quase todo o território chileno está às escuras

Efe e Reuters,

14 de março de 2010 | 21h55

 

 Pessoas esperam ônibus às escuras na cidade de Vina del Mar. Foto: Eliseo Fernandez/Reuters    

 

Um apagão deixou praticamente todo o território do Chile sem luz neste domingo, 14, às 20h40 local (mesmo horário de Brasília).

 

Segundo o ministro do Interior, Rodrigo Hinzpeter, um problema com um transformador de 500 kilowatts localizado na subestação Charrua, na região de Bio Bio - uma das mais afetadas pelo tremor - gerou o apagão, que não está relacionado com um novo terremoto.

 

A estação, pela qual passam 1000 MW de energia elétrica, é uma parte chave da coluna vertebral do sistema interconectado chileno.

 

"Felizmente a falha foi detectada (...) a luz está chegando progressivamente e esperamos que nas próximas horas o serviço se restabeleça", disse o ministro à imprensa.

 

O apagão atinge desde a cidade de Taltal, no norte do país, até a ilha de Chiloé, no sul, que distam aproximadamente 3.500 km uma da outra, e afeta serviços de telefonia fixa e celular. A queda obrigou o Metrô a interromper seus serviços na capital do país, cujas estações foram esvaziadas.

 

A distribuidora elétrica Chilectra, filial da espanhola Endesa, disse que desconhece a origem do corte de energia e que a empresa deixou de receber eletricidade do sistema interconectado central na hora que se produziu o apagão generalizado, ao redor das 21h local.

 

O diretor da Chilectra, Juan Pablo Larraín, considerou prematuro relacionar o apagão com o terremoto.

 

Lentamente, o serviço vai retornando em Santiago e outras cidades do país, como a costeira Vina del Mar e Valparaíso.

 

Hizpeter disse que o serviço voltaria à normalidade à meia noite local (mesmo horário de Brasília).

 

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, se reunião com o ministro do Interior no Palácio da Moeda logo após o apagão, e está em contato com o diretor da ONEMI, Vicente Núñez.

 

Núñez pediu que a população permaneça tranquila em suas casas até a energia voltar.

 

Nas regiões de Maule e Biobio, as mais castigadas pelo terremoto, a queda de energia coincide com um toque de recolher decretado pelas autoridades para manter a ordem pública.

 

Notícia atualizada às 23h29 para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
apagãoChilequeda de energia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.