Palacio de Miraflores/Efe
Palacio de Miraflores/Efe

Chuvas na Venezuela já deixaram 35 mortos e 120 mil desabrigados

Além de mortes, as tempestades causaram deslizamentos de terra, inundações e destruição de estradas e pontes

Efe,

09 de dezembro de 2010 | 01h20

CARACAS - As chuvas que atingem a Venezuela já deixaram 35 pessoas mortas, seis desaparecidas e 120 mil desabrigados, o que deixou o país em uma "situação crítica, mas uniu o governo ao povo", disse o presidente Hugo Chávez nesta quarta-feira, 8.

"A situação continua sendo caótica, mas podemos dizer que hoje não piorou.

 

Estamos aí, navegando sobre a crise e o impacto social", declarou o presidente venezuelano em alocução transmitida em cadeia nacional por rádio e televisão.

 

As chuvas, que começaram em novembro e pioraram nas últimas duas semanas, provocaram deslizamentos de terra em zonas pobres de Caracas, inundações de povoados rurais e destruição de estradas e pontes.

 

"Deus está ouvindo nossas súplicas. Hoje quase não choveu, ontem também não", ressaltou Chávez, que anunciou uma série de medidas para "aprofundar o atendimento social de emergência" nos estados de Mérida e Zulia.

 

O líder decretou estado de emergência em várias regiões do país, entre elas o Distrito Capital, nas quais as autoridades mantêm as operações de retirada de moradores de zonas de risco.

 

Na terça-feira, Chávez anunciou que as aulas permanecerão suspensas nos estados afetados pelas chuvas, para que assim as escolas continuem servindo como abrigos provisórios para os desabrigados.

Tudo o que sabemos sobre:
Chuva, tragédia, Venezuela, abrigos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.