Ciudad Juárez registra 15 mortes pelo crime organizado nas últimas 24h

Há dois adolescentes entre as vítimas; cidade é palco de disputa entre cartéis do narcotráfico

Associated Press

18 de junho de 2010 | 16h22

 

CIUDAD JUÁREZ - Ao menos 15 pessoas, entre elas dois adolescentes, foram assassinadas a tiros nas últimas 24 horas em Ciudad Juárez, a cidade mexicana fronteiriça com os EUA mais afetada pela violência do narcotráfico.

 

Na noite da quinta-feira, um grupo armado matou três homens com idades entre 20 e 21 anos, além dos dois menores, informou Arturo Sandoval, porta-voz da Subprocuradoria de Justiça do Estado de Chihuahua. Nenhum suspeito foi detido até agora.

 

As primeiras informações sobre o crime apontam que as vítimas deixaram o carro em que estavam e começaram a correr, já que seus corpos foram encontrados em duas ruas distintas. Os menores, porém, foram encontrados dentro do veículo. Em ambos os locais foram achados pelo menos 21 cascos de diferentes calibres, inclusive dos fuzis Ak-47 e AR-15.

 

Segundo o porta-voz da Procuradoria, outras dez pessoas foram mortas durante a quinta-feira em vários pontos da cidade. Na fronteira com El Paso, cidade do Texas, Ciudad Juárez é um dos locais mais afetados pelo narcotráfico, com 4.300 assassinatos vinculados ao crime organizado desde que o presidente Felipe Calderón lançou uma ofensiva contra os cartéis de drogas.

 

As autoridades afirmam que a cidade é palco de uma disputa sangrenta entre dois cartéis rivais, o Juárez e o Sinaloa. Em todo o país, o crime organizado já deixou mais de 22.700 mortos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.