Clara Rojas tentou fugir da selva com Ingrid Betancourt

A política colombiana Clara Rojas,libertada depois de um sequestro de quase seis anos, revelou nasexta-feira que tentou fugir de um acampamento da guerrilha naselva com a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, mas oplano fracassou e a amizade entre as duas ficou abalada.Clara, advogada, de 44 anos, teve um filho no cativeiro com umguerrilheiro das Forças Armadas Revolucionários da Colômbia(Farc). Ela foi solta na quinta-feira pelas Farc, com aex-congressista Consuelo González. A política relatou que depois de sequestrada comBetancourt, em fevereiro de 2002, no Departamento de Caquetá,começaram a planejar a fuga. "Quando tínhamos a oportunidade de estar juntas começamos aplanejar a situação, até que surgiu a oportunidade e o fizemos.Mas não tivemos sorte porque nos perdemos e eles voltaram a nosprender", relatou Clara à W Rádio, falando de Caracas. "Não conseguimos sair de perto do acampamento porque nãopudemos nos orientar na escuridão da noite na selva. Por isso,fracassamos na tentativa, que foi infeliz porque se tivéssemosconseguido escapar a história teria sido outra. Não teríamosficado mais de dois ou três meses no cativeiro", afirmou. Clara disse que depois da fracassada fuga sua amizade comBetancourt chegou a se deteriorar porque se culpavam mutuamentepelo fracasso. A guerrilha lhes advertiu dos riscos de fugir naselva e as intimidou, mostrando-lhes um tigre morto e deixandocobras e aranhas venenosas (tarântulas) no lugar onde dormiam. A advogada revelou que como castigo pela fuga ficaramacorrentadas durante um mês. As correntes só eram tiradas nahora do banho. Depois elas foram removidas. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.