Clarín publica documentos que desmentem acusações de Cristina

Cristina Kirchner acusa jornais de se apropriarem de empresa de papel-jornal ilegalmente

estadão.com.br,

25 de agosto de 2010 | 13h05

BUENOS AIRES - O diário argentino Clarín publicou nesta quarta-feira, 25, documentos que desmentem a versão do governo Cristina Kirchner sobre a compra da Papel Prensa, a principal produtora de papel-jornal do país.

Segundo o jornal, declarações de Isidoro Graiver e María Sol Graiver, irmão e filha do antigo dono da empresa, David Graiver, não houve irregularidades na venda da Papel Prensa aos diários Clarín, La Nación e La Razón e ao governo, na época sob uma ditadura militar.

Em pronunciamento à nação, Cristina afirmou ontem que a viúva de Graiver vendeu a empresa sob tortura dos militares. O empresário era vinculado ao grupo guerrilheiro Motoneros, que lutava contra a ditadura.

"No momento das vendas das ações da Papel Prensa, em 2 de novembro de 1976, todos os membros do Grupo Graiver gozavam de total liberdade de ação e de decisão. Não estavam sequestrados, nem foram coagidos", diz o texto.

Os diários acusam o governo Kirchner de tentar cercear a liberdade de imprensa e de pressioná-los ao tentar controlar a principal matéria prima para publicação de jornais impressos.

O governo Cristina tem uma relação difícil com a imprensa, principalmente com o jornal Clarín. Na semana passada, a presidente proibiu o grupo dono do diário de vender banda larga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.