Colômbia acusa as Farc de enganar o mundo com caso Emmanuel

O ministro da Defesa da Colômbia, JuanManuel Santos, acusou na sexta-feira a principal forçaguerrilheira do país de mentir e enganar o mundo ao prometer alibertação de três reféns sequestrados, incluindo o meninoEmmanuel, apesar de os rebeldes não o terem em seu poder. A Promotoria Geral revelou o resultado de um teste de DNAque apontou que muito provavelmente o garoto Juan David Gómez,de 3 anos, é o filho de Clara Rojas, uma política que as ForçasArmadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) prometeram libertarjunto com a ex-congressista Consuelo González. "Isso comprova mais uma vez que as Farc mentiram ao mundo,burlaram a opinião pública nacional e internacional, oferecendoquem não tinham, e depois quiseram, de forma maquiavélica emacabra, culpar o governo e a Força Pública colombiana pela nãoentrega dos sequestrados que prometeram entregar", declarouSantos. "Os exames de DNA confirmam e felizmente essa estratégiafoi desmascarada", afirmou o ministro. As Farc prometeram entregar ao presidente da Venezuela,Hugo Chávez, Clara Rojas, o filho dela nascido em cativeiro efruto de uma relação com um guerrilheiro, e a ex-congressistaConsuelo González. A operação de libertação dos reféns foi suspensa nasegunda-feira depois de a guerrilha ter dito que combates com oExército e ações militares impediam a entrega dos três. O governo colombiano negou a ocorrência de combates e deoperação militares. Ao mesmo tempo, o presidente colombiano, Alvaro Uribe,provocou surpresa ao afirmar que as Farc não entregaram osreféns porque não tinham sob seu poder o menino, repassado pelaguerrilha a um agricultor e que está sob custódia do serviçosocial do país desde 2005, quando recebeu tratamento médico emum hospital. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.