Colômbia acusa Venezuela de boicotar decisão negociada na Unasul

Segundo chanceler colombiano, ministro venezuelano voltou atrás 'na última hora' em reunião

Efe

30 de julho de 2010 | 12h03

Chanceler do Equador, Ricardo Patiño, fala durante reunião. Foto: José Jácome/Efe

BOGOTÁ - O governo da Colômbia acusou nesta sexta-feira, 30, o da Venezuela de boicotar uma declaração final pactuada na cúpula de chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), que foi realizada na quinta-feira, em Quito, para analisar a crise entre os dois países, mas que terminou sem acordos.

Veja também:

mais imagens Galeria: provas mostradas pela Colômbia na OEA

lista Histórico de tensões entre os dois países

"Alcançamos uma declaração praticamente pactuada por todos", na qual estava incluída o pedido da Colômbia de criar um "mecanismo de cooperação eficaz e de verificação" da suposta presença de guerrilheiros na Venezuela, disse hoje a várias emissoras locais o chanceler colombiano, Jaime Bermúdez.

No entanto, "no último minuto, a Venezuela voltou atrás, quando todos os chanceleres já tinham decidido a posição oficial", disse Bermúdez.

Segundo ele, inclusive o chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, "aceitou a versão inicial" da declaração, mas "quando fez consultas, seguramente a Caracas, a decisão foi danificada no final".

Os ministros das Relações Exteriores da Unasul não conseguirem superar em Quito a crise diplomática entre Venezuela e Colômbia e passaram a missão para os presidentes da região, por considerarem que o tema precisa de uma definição "do mais alto nível".

Na quinta-feira passada, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, rompeu as relações diplomáticas com a Colômbia depois que o embaixador colombiano na Organização dos Estados Americanos (OEA) denunciou a presença de 1.500 guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército de Libertação Nacional (ELN) em solo venezuelano.  

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaVenezuelaFarcUnasul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.